Navigation – Plan du site
Mélanges

Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, de Ricardo Guilherme Dicke: natureza humana e Natureza

Carlos Nogueira
p. 211-229

Résumés

La dernière œuvre de l’écrivain brésilien Ricardo Guilherme Dicke, Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, nous invite à réfléchir sur la relation entre l’être humain, la Nature et le Milieu ambiant, et sur la place de la littérature dans cette relation, au sein de laquelle s’articulent des questions ontologiques, sociales, éthiques et écologiques.

Haut de page

Entrées d’index

Palavras chaves :

Ficção, Brasil, Literatura, Natureza, Ambiente
Haut de page

Texte intégral

1Alguma crítica literária notou já que o escritor brasileiro Ricardo Guilherme Dicke (Mato Grosso, 1936-2008) é, ainda hoje, quase um desconhecido, tanto no Brasil como em Portugal. Isto apesar da qualidade da sua obra, que suscitou já várias adaptações (espetáculos teatrais e pelo menos um documentário), vários estudos académicos e a criação do Grupo de Estudos em Literatura e Cultura de Mato Grosso: RG-Dicke; apesar dos prémios e distinções que o autor recebeu ao longo de uma carreira literária de cerca de quarenta anos; apesar das palavras de reconhecimento de escritores como Guimarães Rosa; e apesar de lhe ter sido atribuído, em 2004, na Universidade Federal de Mato Grosso, o título de Doutor Honoris Causa, que se acrescentou quer aos títulos de bacharel e licenciado em Filosofia e mestre em Estética, quer a várias especializações (pintura, desenho ou cinema).

2Esta contradição entre uma obra maior e o seu desconhecimento por parte do grande público tem uma explicação simples: Dicke viveu sempre distante dos dois maiores centros literários e culturais do Brasil, o Rio de Janeiro e São Paulo; e nunca abdicou de uma escrita muito própria que, pela exigência e considerável extensão de alguns livros, lhe impediu o acesso às maiores editoras. À margem dos principais circuitos de divulgação e distribuição, Dicke pagou um preço elevado para manter a sua identidade: não viu a sua obra reconhecida como merecia (apesar de, nos dois últimos anos de vida, alguns dos seus títulos terem sido editados por duas editoras que entraram em parceria). Daí a responsabilidade acrescida da crítica literária, que não pode demitir-se de contribuir para a promoção de escritores como este.

  • 1 Vejamos dois casos. Em Madona dos Páramos (1982), as personagens são criminosos que se evadem da pr (...)

3A nossa leitura situa-se na linha dos poucos estudos sobre a obra de Ricardo Guilherme Dicke, mas apresenta uma revisão que visa tornar ainda mais evidente a importância deste autor. Os romances e os contos deste escritor devem ser lidos à luz de tópicos universais como a condição humana, a religião, a política ou o progresso, e de respostas como a denúncia, a ironia e a sátira; contudo, não se pode ignorar que todos os temas e motivos são tratados de acordo com uma visão do mundo em que a Natureza e o Ambiente ocupam um lugar central. O horizonte humano e metafísico dos narradores e das personagens interage sempre, direta ou indiretamente, com o universo natural e ambiental. A busca ontológica do eu, narrador ou personagem, não se faz sem interpretações éticas e estéticas sobre a Natureza1.

4Abordaremos neste artigo o último livro de Ricardo Guilherme Dicke, Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, constituído por um romance e um conto.

5Toada do Esquecido é um romance sobre a natureza humana e sobre o ser humano no meio ambiente destruído pelo Homem. O narrador não participante e as personagens, em fuga pelo sertão de Mato Grosso com o ouro da companhia de mineração, reagem a um elemento que surge obsessivamente em toda a narrativa: uma paisagem desolada e sem vida que desencadeia ou intensifica o diálogo de cada um consigo mesmo. O espaço físico, evocado ou descrito com frequência e sempre com elementos que se repetem, obriga o leitor a questionar-se, desde o início, sobre o valor de passagens como esta:

  • 2 Cuiabá, Carlini & Caniato / Cathedral Publicações, 2006, p. 18.

Ao longe, os horizontes carbonizados parecem lançar um infinito uivo circular de imenso calor, hórrido e seco, abandonada boca que guaia e se ri de tudo zombeteiramente. Nenhuma árvore em todo o perímetro até a boca dos horizontes que uivam. Eles ouvem esse uivo e se calam no seu coração. Tudo queimado. Têm medo não desta terra queimada, mas dos homens que a queimaram, que levaram sua madeira para ninguém sabe onde, que assassinaram esta terra órfã de tudo2.

6Este não é um romance típico de ação, já que o enredo, sem intrigas paralelas nem diferentes níveis narrativos, é simples e linear: a fuga de seis personagens pelo sertão mato-grossense, depois de um roubo não programado, e a morte misteriosa e abrupta de cada uma delas. Privilegiam-se, numa estrutura narrativa muito original, as vozes da personagem e do narrador, o tempo e o espaço interiores; e também se privilegia o espaço físico, que, sobretudo para o Cavaleiro e o narrador, é motivo de meditação ontológica e crítica sociocultural e política.

7Este cruzamento de vozes dá origem a uma rede de digressões, a reflexões pessoais que se complementam ou contradizem enquanto eventos singulares dentro da acção principal. A série de acontecimentos, ligados de modo causal e encerrados com o desenlace irreversível, tem menos importância do que a exploração do universo interior das personagens e a sua relação com o tempo. A valorização da memória e a miscigenação de pensamento reflexivo e história ficcional refletem-se na fragmentação discursiva e na descontinuidade da ação.

  • 3 Jolande Jacobi, The Psychology of C. G. Jung: An Introduction with Illustrations, 8th ed., New Have (...)

8As personagens usam máscaras e fantasias do Carnaval boliviano de Oruro. Esta técnica tem implicações na economia do romance, mas o seu valor ultrapassa o plano das estratégias narrativas. Devemos interpretar esta opção dentro da questão dos arquétipos da psique humana («processos psíquicos transformados em imagens ou padrões primordiais do comportamento humano», na definição de Carl Gustav Jung3). O Cavaleiro, Zabud Malek ou o Deus das Moscas, Mestre Gepetto ou La Muerte e El Diablo estabelecem um pacto: cada um deve ocultar a sua identidade. Elpenor e Palinuro, que chegam mais tarde, são obrigados a fazer o mesmo: o primeiro fantasia-se de morcego e o segundo de serpente.

9Mas as máscaras não são meros adereços que poderiam ser substituídos por outros. Constituem símbolos de uma consciência mítica que Ricardo Guilherme convoca com o objetivo de explorar as grandes questões universais: os sentidos da vida e da morte, do bem e do mal, do eu e do outro, do Homem, da Natureza e de Deus.

10A máscara é, afinal, neste romance, uma imagem de quem se oculta sob ela. Através da máscara, vemos as características mais marcantes das personagens e fases da experiência mítica da humanidade. Nuns casos, a máscara diz a essência da personagem; noutros, representa arquétipos: o Cavaleiro é um revoltado que luta contra o tempo histórico com a sua capacidade de imaginar um mundo novo através da literatura e das artes em geral. O isolamento leva-o a transcender-se, eleva-o; indignado e amargurado mas culto e idealista, ele representa a possibilidade de regeneração do mundo. El Diablo é, enquanto máscara e enquanto assassino silencioso de todos os que o acompanham, o representante do Mal (conotação que também se associa às máscaras da serpente e do morcego). La Muerte está presente para lembrar que a morte é o maior castigo, a maior punição, mas também uma consequência natural da vida. A máscara do Deus das Moscas, complementada pela presença constante destes insetos na narrativa, impõe ao humano uma desfiguração grotesca que lhe retira qualquer pretensão de dignidade e acentua a crítica ao Homem e à sociedade moderna.

11Todavia, há um anseio comum a todas as personagens: o de, transcendendo o tempo pessoal e histórico, cada um entrar num tempo e num espaço onde seja possível (re)encontrar o passado longínquo que se viveu ou que se queria ter vivido. A viagem destas personagens é uma luta contra o tempo (creem-se perseguidos) e contra o Tempo que corrói e mata.

12O tópico do espaço é o que primeiro determina, nesta obra, a categoria do tempo. A crítica literária portuguesa e brasileira, preocupada sobretudo com o campo espiritual, costuma estar mais atenta ao tempo do que ao espaço físico. Tem sido assim também nos poucos estudos consagrados a Ricardo Guilherme Dicke, que salientam o tempo como problema do ser dos protagonistas e o espaço como mera paisagem de fundo. Mas, neste romance, o tempo psicológico e o Tempo como questão metafísica não se desligam do espaço como lugar onde se dá a viagem, porque é no território que a consciência de cada personagem se abre ao sentimento, ao pensamento e à imaginação. O desejo de sair de um espaço que asfixia conduz cada um a querer substituir o que tem e conhece pelo que sente e deseja.

  • 4 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 20.
  • 5 Idem, p. 13.

13Não há muitas indicações geográficas concretas que situem a ação no espaço. Sabemos apenas que as personagens viajam pelo sertão de Mato-Grosso e que passam por alguns lugares específicos («Vieram fugindo delas, desde O Esquecido, à beira do rio Madeira, no Guaporé»4). Esta indecisão sobre os lugares exatos em que as personagens se movem contrasta, como dissemos, com a descrição constante e repetitiva do espaço; abundam os momentos em que se diz, com mais ou menos pormenores, que «as desoladas paisagens» «se vão sucedendo, sem terminar nunca»5.

  • 6 Idem, p. 15.

14As informações temporais, também numerosas, não são mais precisas do que as do espaço. As várias referências históricas e sociais, que remetem para a década de 80 do século XX, trazem alguma estabilidade semântica ao romance, mas não há uma única informação cronológica exata. Deste tratamento do tempo e do espaço vem a ideia de separação e fechamento espacial, e de angústia de cada um no seu período histórico e no Tempo: «já não sei há quanto tempo estamos aqui viajando, o tempo se perdeu atrás de uma cortina de semanas, talvez meses, os dias se foram, para onde foram?»6

  • 7 Idem, p. 33.

15São muitas as questões que se cruzam em Toada do Esquecido: o mundo globalizado, a cidade e o campo, as tecnologias da informação, o excesso de notícias, a literatura e as artes, a exploração do Homem pelo Homem, a condição humana e a sua ligação a temas universais como a vida e a morte, o eu e o outro ou o amor e o ódio. Todo o texto, tanto o discurso do narrador como as falas das personagens, é uma projecção de consciências que se procuram compreender a si próprias convocando estas grandes questões. Aquela que surge mais obsessivamente, embora nem por isso a mais notada pela crítica que se tem ocupado de Ricardo Guilherme Dicke, é a da destruição da Natureza e do Homem: «– (…) E ninguém sabe. E todo este deserto que eles estão construindo… Em redor das estradas estes campos mortos, todas as árvores cortadas e não repostas cuja madeira é enviada para os Estados Unidos e ninguém sabe»7.

16A perturbação de quem fala ou pensa reflete-se no modo como a paisagem desolada é vista, mas a paisagem, em si mesma apocalíptica, também intensifica a angústia dos corpos e das consciências. Esta consciência do narrador e das personagens sobre o meio natural estimula a introspecção e o autoconhecimento. Neste processo, o leitor é convidado a recordar que há sempre uma correspondência entre si e a Natureza. Mais descritivas ou mais reflexivas, mais curtas ou mais torrenciais, as referências contínuas à terra morta e enegrecida pelo fogo acentuam a denúncia e a reflexão ambiental sociocultural e política que todo o texto é. A paisagem desolada não é um mero cenário da ação; acompanha e explica os pensamentos, os sentimentos e as emoções do narrador e das personagens, que se expressam num discurso em que se combinam ou alternam o popular e o culto, o oral e o erudito, o registo caudaloso e a frase aforística.

  • 8 Idem, p. 53-54.

17A inquietação das personagens suscita constantemente a inquietação dos leitores. Pelo ato de leitura, somos chamados a intervir num mundo de paisagens mortas, de «campos carbonizados e queimados, enegrecidos, eriçados de tocos pretos, onde não há vida»8. As obsessões, os medos e as asfixias das personagens não são apenas lugares nas suas paisagens interiores; são lugares da natureza humana que se projetam na paisagem natural e com ela dialogam.

18Este livro desloca o paradigma da literatura do eu para o da literatura do eu no ambiente natural, e, consequentemente, para o paradigma da literatura sobre a Natureza e o meio ambiente. Os problemas ontológicos, ideológicos e sociais das personagens e do narrador são equacionados a par dos problemas do ambiente natural. A alienação das personagens em relação à Natureza intensifica a sua alienação em relação ao espaço e ao tempo. A morte do meio natural não traz apenas a neurose de cada personagem: também promove e acolhe a morte física de todas elas.

  • 9 Idem, p. 22.

19Real e simbólica, a paisagem de Toada do Esquecido projeta uma imagem apocalíptica do fim do mundo, anuncia o fim destas personagens, que o mestre Gepetto vê premonitoriamente, e prediz o fim do nosso mundo: «está tudo em silêncio imenso sob aquele campo comburido e morto e ele pensa de repente: sobre o campo morto, homens mortos»9. A leitura é literal e alegórica: ninguém ignora que o Brasil é hoje um dos arquétipos do desequilíbrio ambiental e do desrespeito do ser humano por si próprio e pela Natureza.

  • 10 Ser e Tempo, Petrópolis, Vozes, 1989, p. 17.

20A mulher é, muitas vezes, a protetora da Natureza e da vida, mas nesta narrativa não há qualquer condescendência em relação ao feminino. A mulher entra na crítica ao homocentrismo e na crítica à cultura patriarcal e matriarcal: El Diablo é, afinal, como todos suspeitavam, uma mulher que assassina todos os seus companheiros de viagem. Ela põe em prática o que a inexorável cronologia, o Tempo, cumpre: a morte de cada elemento vivo. O espaço fechado, circular, que é o território por onde eles viajam determina a concretização do maior medo de cada um, que se vê, ao longo de todo o texto, como «ser-para-a-morte» (Heidegger)10.

21Em Ser e Tempo (1927), Martin Heidegger (1889-1976) desenvolve a ideia de que a morte não é apenas o fim irreversível para o qual cada um de nós caminha. A morte dá a cada pessoa a possibilidade de, enfrentando-a com coragem e com um projeto de vida, construir uma existência mais autêntica. É no Cavaleiro que este tema da filosofia de Heidegger mais se actualiza, já que, vendo-se como «ser-para-a-morte», ele atinge um estado de transcendência que o coloca diante do seu ser.

22A experiência temporal do humano é, nestas narrativas, o resultado de uma experiência espacial extrema e derradeira. Não é o Tempo como cronologia que mata: o que leva à falência ontológica e à morte é o espaço físico e social.

  • 11 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 263.

23As personagens, à deriva pelo espaço negativo da memória, negam-se a si próprias, sem tempo (porque morrem) para atribuírem sentidos às imagens de morte que as atormentam. Oprimidas pelo espaço visível, elas estão perdidas para si mesmas e para os outros. Nenhuma interação humana existe entre elas durante a viagem, cada uma vive perdida dentro de si mesma e morre sozinha. O Cavaleiro é a única exceção. A «antecipação da morte singulariza»11 esta personagem, confronta-a radicalmente com o seu presente, o seu passado e o seu futuro, levando-a a procurar a sua verdade no tempo e na linguagem.

  • 12 Apocalipse (16 – 1), in Novo Testamento.
  • 13 «1. Mostrou-me então o anjo um rio de água viva resplandecente como cristal de rocha, saindo do tro (...)

24A paisagem e a canção «Toada do Esquecido», sinédoques de um mundo em acelerado processo de destruição, anunciam e dizem um apocalipse. Mas não se trata de um apocalipse desencadeado pela «ira de Deus»12, que pune a Babilónia (a Roma pagã) com pragas e cataclismos. A ecocatástrofe de Toada do Esquecido tem como únicos agentes os seres humanos. Os campos devastados pelo fogo são a revelação do Apocalipse que poderá trazer o fim do Homem e do mundo natural («apocalipse» significa, em termos bíblicos, «revelação» e, por extensão, «destruição»). Mas, enquanto que no Apocalipse um novo céu e uma nova Terra emergem da ruína13, neste romance não se dá a ressurreição universal da natureza e dos homens.

  • 14 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 55.
  • 15 Ibidem.
  • 16 Ibidem.

25Os sentimentos de renovação que vêm de uma paisagem verde não existem nesta narrativa senão muito pontualmente. Predominam a luz cinzenta do dia, que incide sobre uma paisagem negra, carbonizada, e a escuridão da noite. O tempo cronológico e meteorológico é interminável, pesado. Contudo, em «Direção a Rondônia, a Vila Bela», onde é «tudo diferente»14, o apelo da Natureza chega-lhes através dos sentidos («Sentam-se sob um enorme jatobazeiro, cujos frutos cheiram»15): «A estrada nova fica para trás. E com ela os tristes campos carbonizados. Daqui a Cuiabá, por todo este perímetro só tocos de árvores queimadas, tudo negro, tudo queimado, nada em pé, só devastação e destruição. Nem pássaros, nem coisa viva, nem nada. Entram numa região diferente: aqui crescem grandes árvores onde ninguém tocou. Direção a Rondônia, a Vila Bela, tudo diferente»16.

26Mas ninguém, nem El Diablo, alcançará este paraíso. Ele (ela) morre num acidente de automóvel e o ouro, espalhado ao longo do caminho, é devolvido à terra. O arquétipo do paraíso, do mundo autêntico, ficará apenas na memória de cada um.

27Toada do Esquecido é uma narrativa polifónica. As vozes do narrador e das personagens alternam, dialogam, fundem-se de modo quase imperceptível; e evocam pensamentos de nomes célebres da música, da literatura ou da pintura. Apenas os deícticos de pessoa gramatical marcam a passagem entre os vários discursos; como na vida, o enunciador acolhe, de modo consciente ou inconsciente, enunciados de outrem, combina ou confunde o passado e o presente, projeta-se no futuro, constrói e desconstrói identificações e alteridades.

  • 17 Lição de Síntese: Uma Leitura de «Toada do Esquecido» de Ricardo Guilherme Dicke, Porto, Edição da (...)

28A mudança de espaço, de paisagem, é uma mudança espaciotemporal. O espaço em que estas personagens se movem suscita reflexões sobre lugares de poder (a comunicação, os governos, as ideologias…) e de marginalização. O desespero indignado do narrador e do Cavaleiro tem uma explicação que é insistentemente referida ao longo de todo o romance: para que uns vivam bem, muitos vivem mal; para que uns vivam com conforto e com abundância de tudo, muitos vivem com muito pouco e, como nos diz Mônica Elizabeth Zanol de Matos no ensaio Lição de Síntese, são remetidos para «uma zona de fronteira, geográfica mas também simbólica»; no caso, esse espaço situa-se «entre o Brasil e a Bolívia, entre a “civilização” e a solidão»17.

29Este texto pode ser visto como alegoria de um mundo cada vez mais real e provável: um mundo apocalíptico, que é o resultado da separação entre o Homem e a Natureza. As imagens de destruição de um meio natural específico promovem a visão de desastres ambientais futuros e de uma nova (des)ordem mundial.

  • 18 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 57.

30A paisagem desolada, sem vida, sem pássaros, acorda os demónios destas personagens e do narrador. Todos desejam outro lugar, aspiram a uma ecotopia. O leitor nunca se distancia da distopia, trazida pela ambição desmedida, pela negligência e pela ignorância, que cerca as personagens e o narrador; todos são estranhos numa terra estranha, num novo mundo negativo. São personagens em fuga, à deriva, sem lugar e, por isso, em perda espiritual e física. No «lugar habitado de gente chamado A Moringa»18, o Cavaleiro vê-se numa espécie de paraíso perdido ou esquecido e pensa, melancolicamente, «nas aflições da Terra», da «Mãe-Terra» protetora, que sucumbe às mãos da cidade e da civilização:

  • 19 Idem, p. 61.

O que aconteceu com este oco de matas que não acabaram com ele, embutido dentro dos centros dos campos carbonizados, esqueceram ou ficou para ser destruído depois? Aqui deve haver pássaros e bichos. E os habitantes dessas casas mortas em redor? Aguça os ouvidos e ouve: distantes cantares de galos e ladrares de cães. Mugidos de bois e vacas. A Moringa, perdida no meio dos campos esturricados, oásis no coração das sangrantes queimaduras da Mãe-Terra19.

31Não usamos o termo distopia apenas em termos de pensamento e visão do mundo. Este texto é, enquanto género literário, uma Distopia: representa um mundo natural e social cuja desagregação acentua a tendência do ser humano para o desequilíbrio. O lugar sem lugares que é a paisagem carbonizada que ele atravessa traz a sua morte espiritual e física.

32Há, na abordagem crítica deste texto, que estabelecer uma relação entre Distopia (processo discursivo) e Ecocrítica (estudo das intersecções entre a literatura, a cultura e a sociedade e a Natureza e o Ambiente). Uma leitura através da metodologia da ecocrítica literária é fundamental para uma compreensão mais profunda desta obra. Ou poderemos não ver o que é evidente: aqueles que os poderes socioeconómicos e políticos usam para enriquecer não são os únicos explorados e marginalizados. Também a Natureza é explorada e marginalizada, também ela sofre a dominação da sociedade de consumo e da tecnologia.

33Hoje, quando pensamos numa sociedade ideal, já não podemos deixar de ter em conta, de modo consciente, a questão da preservação ambiental. Nenhuma eutopia pode esquecer uma revisão das ideologias que não admitem novos modelos de crescimento económico e tecnológico. Toada do Esquecido descreve e denuncia, revela e antecipa o que pode vir a acontecer a uma escala ainda mais global: a crise ambiental, o colapso ecológico, o fim do Homem. Nesta representação e nesta sensibilização reside grande parte da dignidade e do empenhamento da literatura dos nossos dias.

34Os fatores de desordem da paisagem, do narrador e das personagens não são meramente locais. As vozes da rádio, com referências ao capitalismo, ao lucro fácil, à exploração, dizem-nos que o problema é humano e internacional. Este texto cria no leitor um conflito moral que o leva a considerar o que, de tão repetido de maneira não expressiva, é esquecido: vivemos num tempo em que é necessário tomar decisões; ou mudamos de paradigma económico e social e salvamos o meio ambiente ou destruímo-nos enquanto seres morais e físicos.

35A morte ou a revolta da Natureza já está a determinar a nossa condenação e a nossa morte. Se a Natureza como Utopia passar definitivamente a Distopia, não há, para a espécie humana, qualquer possibilidade de salvação. O mundo verde para o qual se moviam estas personagens é, no mundo empírico, cada vez mais escasso. Daí a mensagem deste romance: se a tendência de alienação do ser humano em relação à Natureza e ao Ambiente persistir, a ecocatástrofe que tantos anunciam chegará mais cedo do que se espera. Criticar a tradição homocêntrica dominante é, assim, contribuir para a possibilidade de uma mudança real.

36Entre a Natureza e a mente há, em vez de separação ou oposição, reciprocidade. A morte da Natureza significa a devastação física, psicológica e moral do ser humano. As personagens de Toada do Esquecido veem a sua liberdade no ouro que levam consigo, mas também a projetam no reencontro com a Natureza verde; todos sentem, em especial o narrador e o Cavaleiro, que não há harmonia interior sem o equilíbrio dos elementos naturais:

  • 20 Idem, p. 79.

O Cavaleiro olha pela janela da Kombi: campos desolados de novo que passam, nenhuma árvore, tudo cortado desapiedadamente, nenhum pássaro, nenhum bicho, nada. Campos carbonizados. O dia passando irremediavelmente e uma grande tristeza se instala no coração do Cavaleiro a olhar essa imensa desolação que vai até aos horizontes. Um céu de chumbo paira sobre suas cabeças20.

  • 21 No estudo Rabelais and His World (1965), Mikhail Bakhtin defende que o humor popular e o grotesco d (...)

37As referências carnavalescas não se reduzem às máscaras do carnaval boliviano usadas pelas personagens. Todo o romance é, na atitude de espírito das personagens e do narrador e na linguagem, carnavalesco. Em todo o texto se cruzam o culto e o popular, o alto e o baixo, o sublime e o grotesco, e se misturam a sátira, a ironia, a paródia e o humor com o discurso mais sério e meditativo. A cultura oficial e massificadora é, como acontecia no carnaval da Idade Média analisado por Mikhail Bakhtin (1895-1975)21, objeto de uma desconstrução simbólica. Contra a opressão do mundo moderno, que exclui e marginaliza uns e beneficia outros, resta ao narrador e às personagens, em particular ao Cavaleiro, uma espécie de riso satânico e uma linguagem cáustica e justiceira.

38O Cavaleiro, que os poucos estudiosos de Ricardo Guilherme Dicke veem como uma projeção autobiográfica do autor, insurge-se contra os lugares-comuns da civilização. Evade-se da paisagem e do mundo imaginando um futuro em que a literatura, a música, a arte e a Natureza sublime são o único mundo verdadeiramente humano:

  • 22 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 53.

– Eu compraria todos os livros, quadros e discos do mundo, retirar-me-ia para uma cidade que se deitasse sobre campos floridos, na maravilhosa Espanha, num castelo de Burgos ou Mérida, que fosse perto também do mar, Barcelona ou Costa Brava, renunciaria às pompas do mundo a escutar eternamente música e a ler todas as obras literárias do mundo, com professores dignos de línguas, reuniria a maior biblioteca do mundo, a maior discoteca do mundo e a maior pinacoteca do mundo, e naquele silêncio ante os campos floridos e diante do mar adentraria todos os segredos…22

  • 23 Idem, p. 111.
  • 24 Idem, p. 79.

39O Cavaleiro reage ao isolamento e ao desamparo que vêm do excesso de destruição da Natureza criando uma Utopia. Fechado dentro de si, ele usa também a liberdade do pensamento e a liberdade da palavra, da sátira e da ironia, do humor ácido e do grotesco, do burlesco e do feio («O Juízo Final chegou – diz o pastor em Quito – ameaçante no rádio, problema mortal, mundial. E moscas, muitas moscas. E cheiro de merda velha que sai do carro»23). Denuncia o fim dos mitos que tudo criavam, expõe a apatia e a mentira do mundo, acusa e amaldiçoa: «Por aqui tudo foi mato virgem onde cantaram pássaros em bosques imensos e uivaram feras, onde passaram índios, onde o Sol, a Lua e as estrelas iluminaram em mitológicos tempos. Malditos os tempos em que se acabou toda e qualquer mitologia, onde só há sombras de mitologias. E malditos aqueles que deixaram árida a alma dos homens»24.

  • 25 Images and Symbols: Studies in Religious Symbolism, New York, Sheed & Ward, 1961, p. 17.

40É significativo este lamento amargurado perante o fim de «toda e qualquer mitologia». Sem o mato-jardim em que tudo se criava e organizava, dá-se a impossibilidade da nostalgia do Jardim do Éden simbólico. O Cavaleiro fica sem poder projetar as suas imagens do Paraíso e, por isso, cai na amargura e na raiva. Mircea Eliade lembra-nos que a nostalgia deste espaço é de todos os tempos e lugares. As imagens que dele criamos «exprimem a nostalgia dum passado mitificado transformado em arquétipo»; e este «“passado” significa não só a saudade dum tempo desaparecido mas também uma infinidade de outros sentidos; exprime tudo o que poderia ter sido mas não foi, a tristeza de toda a existência, que só é ao deixar de ser outra coisa»25.

  • 26 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 53.

41O Cavaleiro, que sofre de um sentimento agudo de alienação do sentido da vida, é um homem culto e civilizado. No lugar que ele idealiza, a Natureza é, como no Jardim do Éden, sublime; mas a sua imagem do Paraíso é de unidade do eu com a Natureza, o conhecimento e as artes: como Adão e Eva, que contrariaram a vontade de Deus e comeram «da árvore da ciência do bem e do mal», ele deseja conhecer «todos os segredos»26. Cavaleiro cristão das cruzadas na Terra Santa (pelo menos na máscara que enverga), ele é, assim, um rebelde que contraria o que se espera dele: que se mantenha fiel aos desígnios insondáveis de Deus.

42O Cavaleiro é a personagem mais trágica deste romance. Ele busca o Éden, a bem-aventurança, mas também deseja o conhecimento: o conhecimento que implicou o fim do Paraíso bíblico, e que, no seu caso, quer contrariar os vícios e a ambição descontrolada da sociedade. Conhecimento e beleza como revelação da verdade e da justiça são, para o Cavaleiro, caminhos para o bem e a remissão dos erros do ser humano. O Paraíso do Cavaleiro é povoado por nomes de referência de áreas da cultura e da arte como a literatura, a música, a pintura ou a filosofia. Ele acrescenta ao mito do Paraíso perdido, enquanto expressão de uma tendência universal, de um inconsciente coletivo, a sua mitologia pessoal.

  • 27 Idem, p. 43.
  • 28 Ibidem.
  • 29 Ibidem.

43Os animais desta narrativa só ocasionalmente aparecem fora do contexto da «arca de Noé» que é o trailer da carrinha (a Kombi) em que viajam («Sob a lua, mãe dos sonhos, começam a passar estranhos pássaros que dão uma espécie de risada bruxuleante que os deixa mais aflitos e depois novamente cai o silêncio, que é como uma espécie de pai dos deserdados»27). Selvagens ou domesticados, todos eles exibem as misérias destas personagens e do humano: o galo, que, quando canta, afasta os «maus espíritos»28, diz-lhes que existe a morte e o medo, o desconhecido e a angústia; o papagaio, que repete incansavelmente expressões como «mundo horrível» e «fim do mundo», parece escarnecer de cada um deles e da condição humana; o cão, que é geralmente silencioso, às vezes «uiva noites e noites», trazendo-lhes arrepios «pelas espinhas, como o prenúncio de algo perdido que ainda não sabem o que é, logo saberão»29; as moscas, atraídas pela «merda» das personagens e dos animais, desfiguram grotescamente o humano e reduzem-no à sua animalidade e efemeridade; o porco, de que mestre Gepetto se compadece enquanto o mata, parece vingar-se deles, ao provocar-lhes uma forte diarreia que os submete ao poder da Natureza invisível, microscópica (as bactérias que apodreceram a carne do porco).

  • 30 Idem, p. 144.
  • 31 Ibidem.

44A grande questão subjacente ao conto Sinfonia Equestre é, mais uma vez, a dos confrontos pela posse da terra. Também por isso, um dos temas desta narrativa é o da relação entre a personagem principal e a Natureza. Janis Mohor, a protagonista, para vingar a morte do pai, assassinado pelo turco Tariq Muza, atravessa o sertão de Mato Grosso a cavalo. Acompanhada por Belizário, um contador de histórias, Janis sofre e procura compreender por que razão o seu pai, um homem alto e robusto, parece ter permitido que um turco baixo e fraco o envenenasse e matasse lentamente. Como no romance Toada do Esquecido, e como noutras obras do autor, só a percepção física e espiritual da Natureza apazigua a personagem. É no jardim da Fazenda Mutum, «Lugar ideal para fazer poemas», «Pedaço do Céu»30, que Janis encontra alguma pacificação: «Sob as árvores se estendia uma sombra enorme e profunda, espessa e terna que edulcorava tudo o que dela se aproximava. Frutas adocicavam as sombras. Um bentevi esburacava um mamão e assobiava e periquitos comiam duma manga madura»31.

  • 32 Ibidem.

45Colocando a personagem no meio de uma fauna e de uma flora esplendorosas, Ricardo Guilherme Dicke vem lembrar, mais uma vez, que o ser humano não pode salvar-se senão através da literatura e de uma integração forte na Natureza: «Pássaros pelos matagais cantavam e cantavam em miríades e trançavam seus cantos com os poemas que Janis dizia. E à frente da piscina cresciam mangueiras, goiabeiras, ateiras, mamoeiros, coqueiros dando frutos, cujas extensões ofereciam uma sombra doce. Constante e denso rumor de folhas em galhadas espessas se entrechocando. Aqui era um lugar onde seu pai gostava de vir»32.

46O jardim-paraíso em que Janis procura proteção, alimento e transformação é uma imagem da Terra-paraíso que pode salvar a humanidade, se a humanidade souber viver em harmonia com ela. O horror e o desgosto causados pela morte violenta do pai ligam-na à imagem arquetípica do Jardim-Paraíso e criam um espaço psíquico em que ela se reconhece. A decadência do mundo da personagem é uma metáfora da decadência do sertão; e o jardim que Janis recebe em legado é metáfora do passado mítico que ela, reconhecendo a disparidade entre a realidade presente e a realidade passada, intui.

  • 33 Idem, 140.
  • 34 Idem, 163.
  • 35 Ibidem.
  • 36 Idem, 164.
  • 37 Ibidem.
  • 38 Ibidem.

47A personagem, tal como o narrador e o Cavaleiro de Toada do Esquecido, reage negativamente à imagem real do Paraíso degradado. A «discussão de terras»33 corrompe a Natureza e o Homem, quebra a unidade entre o ser humano e as coisas naturais. Antes de morrer, Janis diz: «Seja qual for o meu destino após a morte, sei que meu espírito navegará vivente da Eternidade infinita»34; e pensa em «cavalos puxando trenós, cavalos puxando tílburis, cavalos puxando arados, cavalos nos exércitos, cavalos de faroeste, cavalos anões, cavalos árabes, cavalos manga-larga, cavalos campolinas, cavalos quarto-de-milha, cavalos domésticos, cavalo de São Jorge»35. A morte de Janis desencadeia «algo cósmico»36 que ela própria pressentira pouco antes de pronunciar as últimas palavras («– O mundo é redondo e anda em círculos. Tudo anda em círculos»37). Na Fazenda Mutum, os cavalos, tanto os que estavam nas cavalariças como os que pastavam nos campos, pararam de comer e começaram a relinchar estranha e lugubremente; e os «horizontes em torno das duas fazendas se punham a girar em círculos alaranjados: era a Sinfonia Equestre, em seus três movimentos, abarcando tudo, infinita, eternamente»38.

48Enigmático, este episódio parece concretizar o desejo de Janis: a sua comunhão mística com a Natureza. Este acontecimento não é puramente panteísta nem apenas materialista: não se dá aqui a superioridade da realidade divina, entendendo-se Deus como existência que, diferente e superior à realidade imanente, tudo recobre (panteísmo). Mas tão-pouco se verifica só a imanência da realidade divina (materialismo). Há, simultaneamente, a espiritualização e a materialização da Natureza, do eu e do divino.

  • 39 Idem, 164.
  • 40 Idem, 165.
  • 41 Ibidem.
  • 42 Idem, 164.
  • 43 Ibidem.

49Também o turco Tariq Muza, que morre na sua Fazenda ao mesmo tempo que Janis, se interroga sobre o sentido da vida e da morte: «a morte não dói, o que dói é a vida»39. No monólogo suscitado pela proximidade da morte, Tariq fala de uma ordem cósmica em que «a morte é para todos» e em que, para aqueles que sabem viver pelo sonho, «a vida vale a pena»40; é este «sonho maravilhoso e sublime que embalsama as narinas de um perfume insidioso e profundo que nos leva ao fundo do Paraíso»41. O ser humano e os elementos da Natureza comungam do Todo, a mulher e a água equivalem-se e o homem é fogo. Há uma geometria perfeita a presidir a tudo o que existe («Tudo o que o homem faz é medido pelo quadrado»42): «A morte das mulheres é a morte das águas. A morte do homem é a morte do fogo»43.

  • 44 Idem, 165.
  • 45 Ibidem.

50Surpreendentemente, Tariq é poeta. O monólogo aponta nesse sentido, mas ele próprio o revela: «Sou poeta e me dou com Belizário, o poeta da Fazenda Mutum»44. A Natureza confirma que assim é: também os cavalos de Tariq e os horizontes realizam a mesma «Sinfonia Equestre, em seus três movimentos, abarcando tudo, infinita, eternamente»45.

  • 46 Ibidem.

51Em Ricardo Guilherme Dicke, os elementos da Natureza e as imagens correlatas não são apenas, como se vê, símbolos do eu. A Natureza, neste conto e em toda a escrita do autor, não é só natureza. É natureza com corpo-e-alma que se auto-regenera: a morte de Tariq é celebrada por «uma chuva que lavava docemente a alma da terra»46.

  • 47 Idem, 165.

52No final do conto, intensifica-se o questionamento ontológico e filosófico que, sob diversas soluções semânticas e discursivas, acompanha todos os textos de Ricardo Guilherme Dicke. Jan, o marido de Janis, é agora o protagonista. Também ele, lavado por uma chuva que aprofunda e sublima «a sua imensa dor pela morte da mulher», com quem, por opção dos dois, nunca fora fisicamente íntimo, se interroga sobre o destino de Janis (sobre o destino dos mortos): «A alma de Janis, doce e alegre, havia subido para o céu, a ver a face de Deus?»47

  • 48 Idem, 166.
  • 49 Idem, 167.
  • 50 Idem, 166.
  • 51 Ibidem.

53E também ele vive a sua Sinfonia Equestre, a sua comunhão com uma Natureza que é água (chuva), animal (cavalo), «campo verde»48, horizonte «alaranjado e violeta»49, veneno e música. Jan monta um cavalo que dele se aproxima com um relinchar «forte como o som do bronze»: «o cavalo melhor e mais belo que se erguia nas patas traseiras e se erguia no meio da chuva»50. Antes de tomar o veneno que trazia num anel, «Por um momento ele pensou que poderia existir no mundo algo assim como uma Sinfonia Equestre: mistura de animais de pedra com notas musicais ou talvez de sangue vivo»51.

  • 52 Idem, 167.
  • 53 Ibidem.

54Ator num jardim fantástico, Jan atinge um estado de espírito que lhe permite consubstanciar-se na Natureza e na natureza (enigmática) do divino. Por isso é que ele pergunta, antes de morrer, se veria a face de Janis e a face de Deus. A morte de Jan encerra um ciclo (o da sua vida) e inicia outro (o do seu sono eterno): «Tudo era sonho no grande campo onde Jan dormia para sempre»52. Entretanto, tudo conciliando, «A chuva lavava a alma da natureza»53.

55Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre opõem-se ao conformismo, à indiferença e aos valores ideológicos dominantes. A sua linguagem, variada e imprevista, é de contestação e interpelação. Nenhuma técnica ou processo estilísticos estão à partida excluídos da escrita de Ricardo Guilherme Dicke, que ora é provocatória e agressiva, ora delicadamente lírica; ou melancólica, introspectiva, e simultaneamente irónica e satírica. Num caso e no outro, há um trabalho bem conseguido de revitalização da língua portuguesa e da linguagem e do estilo literários. A sua capacidade de criação verbal vê-se na alternância entre a contenção da frase de recorte clássico e o derramamento da sintaxe inusitada; no uso de neologismos, termos cultos, estrangeirismos e arcaísmos mas também de regionalismos, brasileirismos, coloquialismos, calão e gíria; na invenção ou recuperação de metáforas, metonímias, comparações, imagens e hipálages, de oxímoros, pleonasmos, adjetivações ou aliterações.

  • 54 Lição de Síntese: uma leitura de «Toada do Esquecido», p. 97.

56Ricardo Guilherme Dicke recupera e continua a herança deixada pelos modernistas de 1922, como lembra Mônica Elisabeth Zanol dos Santos. A sua obra, e, muito em particular, esta síntese que é Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, constitui uma revolução estética e ideológica que dialoga com Mário de Andrade, Carlos Drummond de Andrade, os romancistas da década de 30 ou com «um escritor de excepção como Guimarães Rosa»54.

57O cruzamento de técnicas e recursos origina uma enunciação dinâmica, interpelativa. Uma passagem como esta, enérgica e performativa, mostra bem como este autor sabe praticar a estética de vanguarda:

  • 55 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 76.

– Feriado: o Horror do Mundo: ruas de óleo e gasolina tempo morboso horas doentias caras sorridentes passam na velocidade das rodas alegres felizes grande rumor feliz destes burgueses em caras como pastelões com arroto de cerveja bife e farofa pacus assados churrascos galinhas fritas as caras deles estão transparentes e brilham como o fundo levemente verde de uma garrafa de cerveja sol de vidro fosco o Sol se parece levemente com um grande sapato vermelho que pisasse os horizontes esmagando os insetos e eles dizem: que grande sapato que está nos pisando deixa que as horas passem deixa que o dia passe deixa que a semana corra que o mês transcorra que o ano voe que o século deslize que o silêncio se foda deixe que o Sol esmague os insetos aqui nesta rede atravesso dias e noites horas e horas – barca do dia – e nessa cama atravessei as noites sem ver o Sol voando passando o dia vendo apenas Deus no meu coração quando silêncio poeira dos dias lusco-fusco das noites de tanto esquecimento que se vão para onde? E aonde vou nesta barca de olhos fechados de noite de olhos abertos de dia para onde vou? (…)55

58A sequência, extensa, sem qualquer pontuação entre algumas frases interrogativas, é, em si mesma, uma resistência às leis da ordem e da gramática. Trata-se de uma fala do Cavaleiro, a personagem que se ouve mais vezes desde a primeira frase de Toada do Esquecido. A sua voz, abrupta como um corte, vertiginosa, irónica, provocadora, não acaba no final desta secção (de que transcrevemos menos de metade); as contínuas leituras que cada frase suscita, por não começarem nem terminarem de modo inequívoco, prolongam este discurso indefinidamente.

59Os problemas ecológicos e os problemas humanos que se lhe associam não são apenas problemas científicos; são também uma questão sociocultural, moral e ética, a que livros como Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre podem dar uma dimensão pública, política e judicial. O contributo da crítica literária, em especial da ecocrítica, pode ser decisivo para o equacionamento em larga escala dos desafios ecológicos e éticos. A literatura implícita ou explicitamente ecocêntrica desenvolveu sempre a nossa literacia ecológica e filosófica. Hoje, através da ecocrítica, o impacto ecológico e cultural deste diálogo pode e deve ser ainda maior.

  • 56 Libertação Animal, 2.ª ed., Porto, Via Ótima, 2008, p. 232.

60Toada do Esquecido e Sinfonia Equestre, apesar da visão negativa da vida e do ser humano, dizem-nos que a literatura pode participar na construção de um mundo novo. A solução para os problemas ambientais está na ciência, mas não está menos no pensamento, nas atitudes e na cultura que aplica os conhecimentos científicos e com eles se transforma. Se cada um de nós assumir cada vez mais valores e comportamentos ecológicos, podemos acreditar no futuro da Terra e no futuro de um dos seus animais: o Homem. A última frase do livro Libertação Animal, de Peter Singer, é, a este propósito, muito sugestiva: «A forma como respondemos coletivamente a esta questão depende da forma como cada um, individualmente, lhe responde»56.

61Em Portugal, no Brasil e nos outros países de língua portuguesa, não existe ainda uma tradição de análise literária que considere a capacidade de a literatura tratar articuladamente questões relacionadas com os ambientes humano e não humano. Há muitas convenções e preconceitos que impedem a compreensão da vertente ambiental de inúmeros textos literários. Daí a importância deste romance de Ricardo Guilherme Dicke e da escassa crítica literária que tem contribuído para a divulgação deste autor.

Haut de page

Bibliographie

Bakhtin, Mikhail, Rabelais and His World, Bloomington and Indianapolis, Indiana University Press, 1984.

Barbosa, Everton Almeida, A Transculturação na Narrativa de Ricardo Guilherme Dicke, dissertação de mestrado em Estudos de Linguagem, apresentada à Universidade Federal de Mato Grosso / Instituto de Linguagens, Cuiabá, Edição do Autor, 2006.

Dicke, Ricardo Guilherme, Deus de Caim, Rio de Janeiro, Edinova, 1968.

Dicke, Ricardo Dicke, O Salário dos Poetas, Cuiabá, Edição do Autor, 2000.

Dicke, Ricardo Guilherme, Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, Cuiabá, Carlini & Caniato / Cathedral Publicações, 2006.

Dicke, Ricardo Guilherme, Madona dos Páramos, 2.ª ed., Cuiabá, Carlini & Caniato / Cathedral Publicações, 2008 (1.ª ed., 2008).

Eliade, Mircea, Images and Symbols: Studies in Religious Symbolism, New York, Sheed & Ward, 1961.

Glotfelty, Cheryll, and Fromm, Harold (eds.), Ecocriticism Reader: Landmarks in Literary Ecology, Athens / Georgia, University of Georgia Press, 1996.

Heidegger, Martin, Ser e Tempo, tradução de Márcia de Sá Cavalcanti, Petrópolis, Vozes, 1989.

Jacobi, Jolande, The Psychology of C. G. Jung: An Introduction with Illustrations, Forward of C. G. Jung, 8th ed., New Haven, Yale University Press, 1976.

Matos, Mônica Elisabeth Zanol de, Lição de Síntese: Uma Leitura de «Toada do Esquecido» de Ricardo Guilherme Dicke, dissertação de mestrado em Estudos Literários, Culturais e Interartes, especialidade de Literaturas de Língua Portuguesa, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, Edição da Autora, 2010.

Miguel, Gilvone Furtado, O Entre-Lugar das Oposições no Sertão: um Estudo do Romance «Madona dos Páramos», dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Edição do Autor, 2001.

Miguel, Gilvone Furtado, O Imaginário Mato-Grossense nos Romances de Ricardo Guilherme Dicke, tese de doutorado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Edição do Autor, 2007.

Singer, Peter, Libertação Animal, 2.ª ed., Porto, Via Ótima, 2008 (1.ª ed., 1975).

Haut de page

Notes

1 Vejamos dois casos. Em Madona dos Páramos (1982), as personagens são criminosos que se evadem da prisão e procuram a terra prometida: a terra da Figueira-Mãe, onde esperam encontrar paz e igualdade. Marginais e marginalizados, eles empreendem uma peregrinação física e espiritual pelo sertão; enfrentando a Natureza inclemente e agreste, eles predispõem-se a enfrentar interiormente as grandes questões éticas, morais e metafísicas.

N’O Salário dos Poetas, as imagens de beleza e fecundidade da Natureza contrapõem-se às imagens de um Paraíso arruinado pela ação do Homem, que assim se corrompe cada vez mais moral e socialmente e se condena a uma morte espiritual e física certa. As pragas de insetos e do fogo não vêm do Céu; é o ser humano, pervertido e corruptor, que as provoca: «Mas agora é de noite, e a tarde passou como uma sombra levando o atentado e a arruaça, noite que balança nas águas negras do rio, que se escureceu com as nuvens de gafanhotos alastrando por sobre o dia, as moscas que zanzam tontas tecendo redes de imponderáveis bochornos, os cachorros penados que latem sem fim naquelas quebradas modornosas e as queimadas que avançam com a inexorabilidade dos destroços do Destino por sobre as sombras verdes da vegetação dos portos de Cabra (…)» (Cuiabá, Edição do Autor, 2000, p. 30).

2 Cuiabá, Carlini & Caniato / Cathedral Publicações, 2006, p. 18.

3 Jolande Jacobi, The Psychology of C. G. Jung: An Introduction with Illustrations, 8th ed., New Haven, Yale University Press, 1976, p. 44.

4 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 20.

5 Idem, p. 13.

6 Idem, p. 15.

7 Idem, p. 33.

8 Idem, p. 53-54.

9 Idem, p. 22.

10 Ser e Tempo, Petrópolis, Vozes, 1989, p. 17.

11 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 263.

12 Apocalipse (16 – 1), in Novo Testamento.

13 «1. Mostrou-me então o anjo um rio de água viva resplandecente como cristal de rocha, saindo do trono de Deus e do Cordeiro. 2. No meio da avenida e às duas margens do rio, achava-se uma árvore de vida, que produz doze frutos, dando cada mês um fruto, servindo as folhas da árvore para curar as nações» (Apocalipse, 22, in Novo Testamento).

14 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 55.

15 Ibidem.

16 Ibidem.

17 Lição de Síntese: Uma Leitura de «Toada do Esquecido» de Ricardo Guilherme Dicke, Porto, Edição da Autora, 2010, p. 89.

18 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 57.

19 Idem, p. 61.

20 Idem, p. 79.

21 No estudo Rabelais and His World (1965), Mikhail Bakhtin defende que o humor popular e o grotesco da Idade Média e do Renascimento são as duas grandes forças do espírito irreverente de oposição à ideologia e à cultura dominantes. Bakhtin, cuja teoria sobre a cultura do riso está, em grande parte, na génese do romance europeu, deixa bem claro que Rabelais aconselha o leitor a assumir o riso e a sátira como terapias face a uma civilização moderna opressora. É esta precisamente a estratégia de Ricardo Guilherme Dicke.

22 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 53.

23 Idem, p. 111.

24 Idem, p. 79.

25 Images and Symbols: Studies in Religious Symbolism, New York, Sheed & Ward, 1961, p. 17.

26 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 53.

27 Idem, p. 43.

28 Ibidem.

29 Ibidem.

30 Idem, p. 144.

31 Ibidem.

32 Ibidem.

33 Idem, 140.

34 Idem, 163.

35 Ibidem.

36 Idem, 164.

37 Ibidem.

38 Ibidem.

39 Idem, 164.

40 Idem, 165.

41 Ibidem.

42 Idem, 164.

43 Ibidem.

44 Idem, 165.

45 Ibidem.

46 Ibidem.

47 Idem, 165.

48 Idem, 166.

49 Idem, 167.

50 Idem, 166.

51 Ibidem.

52 Idem, 167.

53 Ibidem.

54 Lição de Síntese: uma leitura de «Toada do Esquecido», p. 97.

55 Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, p. 76.

56 Libertação Animal, 2.ª ed., Porto, Via Ótima, 2008, p. 232.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Carlos Nogueira, « Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, de Ricardo Guilherme Dicke: natureza humana e Natureza », Caravelle, 97 | 2011, 211-229.

Référence électronique

Carlos Nogueira, « Toada do Esquecido & Sinfonia Equestre, de Ricardo Guilherme Dicke: natureza humana e Natureza », Caravelle [En ligne], 97 | 2011, mis en ligne le 01 décembre 2011, consulté le 22 juin 2017. URL : http://caravelle.revues.org/1474 ; DOI : 10.4000/caravelle.1474

Haut de page

Auteur

Carlos Nogueira

Universidade Nova de Lisboa

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Caravelle – Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Logo IPEAT
  • Revues.org