Navigation – Plan du site
Mélanges

O ciclo «natureza e ecologia» na literatura de cordel brasileira

Carlos Nogueira
p. 185-201

Résumés

Cet article est une recherche sur la pensée naturiste et écologique du cordel brésilien qui, reliant des domaines tels que la nature, le milieu ambiant, la religion, la technique, la science, l’enseignement, la citoyenneté et la dénonciation des inégalités et des injustices contre les personnes et contre les êtres vivants ou inanimés, a élaboré tout un cycle auquel la critique littéraire n’a pas prêté suffisamment d’attention.

Haut de page

Texte intégral

1A literatura de cordel brasileira privilegiou sempre temas e motivos relacionados com a natureza e o ambiente. Em folhetos tão diferentes como os históricos e os maravilhosos, os religiosos e os satíricos, os poetas têm celebrado o sertão, a fauna e a flora, a serra, o sol e o mar do Brasil.

2Mas na terra brasileira há também desastres naturais que autores como Patativa do Assaré descrevem de modo emocionado e, muitas vezes, interventivo. No ABC do Nordeste Flagelado, Patativa refere-se aos efeitos da seca na natureza e no ser humano, e pede auxílio a Cristo e a Deus. Em diálogo com Deus, com a natureza e com os seres humanos que vivem no sertão, o poeta observa e lamenta, constata e compreende a vulnerabilidade da existência humana. Submisso e reverente, não culpa Deus, nada lhe exige imperativamente, mas suplica, direta e indiretamente, e rende-se aos mistérios insondáveis da natureza e do seu Criador: «É muito triste o mistério/ De uma seca no sertão/ A gente tem impressão/ Que o mundo é um cemitério» (Assaré, 2001: 123).

3De paraíso vegetal, animal e mineral, o sertão de Patativa do Assaré passa a distopia, a lugar desabitado e de sofrimento para os habitantes, animais e humanos, que são obrigados a permanecer ou a deslocar-se. Tal como «Xéxeu, pássaro que mora/ Na grande árvore copada», que, «Vendo a floresta arrasada,/ Bate as asas, vai embora» (2001: 128), também «O coitado camponês» (2001: 124) deixa o seu lugar e parte em busca de uma vida melhor. Mas a sorte que espera o sertanejo e a sua família não compensa o esforço, que envolveu a venda da casa, de objetos e animais, e a «(…) viagem sem destino/ Em cima de um caminhão» (2001: 125). No Maranhão, embora «Trabalhando o dia inteiro/ De picareta na mão», no final do mês apenas «Recebe triste ração/ Farinha e feijão furado» (2001: 126).

4O Meu Livro, um dos folhetos mais acentuadamente naturalistas e ecológicos de Patativa do Assaré, é um elogio da natureza e de Deus, e uma crítica severa ao ser humano, acusado de desaproveitar a «intiligença» e o «dom do raciocino» (s.d.: 5): «Será que o home, esse ingrato/ dotado de intiligença/ vendo os bichinhos do mato/ cum tamanha obidiença/ não se sente incabulado,/ acanhado, invergonhado,/ por não sigui as lição/ da istrada da sua vida/ esta graça concedida/ pelo autor da criação?» (s.d.: 4).

5Todo o poema se estrutura nesta alternância entre a celebração de Deus, Princípio e Fim de tudo que concedeu à Criação equilíbrio e beleza, e a reprovação do Homem, em especial da pessoa culta e informada que não é cristã: «De que adianta a ciença/ do professor istudioso/ se ele não crê na existência/ de um grande Deus Poderoso?» (s.d.: 2).

6Esta transcendência é deísta, mas desdobra-se em panteísmo. O Deus de Patativa, criador de tudo, da natureza e do Homem, superior a todas as coisas, também existe como substância do mundo: «Eu sem tê letra nem arte/ Vejo Deus em toda parte./ O seu pudê radiante/ tá bem visive e presente/ na mais piquena simente/ e no maió elefante// Deus é a força infinita/ é o esprito sagrado/ que tá vivendo e parpita/ em tudo que foi criado» (s.d.: 2). A razão e o conhecimentos humanos, só por si, não bastam para se alcançar um seguro e correto conhecimento de Deus e dos seus mandamentos de «justiça, verdade e amô» (s.d.: 2), que «eu vejo mesmo nos mato» (s.d.: 2): «Não há quem possa contá/ é assunto que não dá/ pra se dizê no papé/ não inziste professo/ nem sábio nem iscritó/ pra saber Deus cuma é» (s.d.: 2).

7Há, neste poema, um naturalismo religioso cristão que é apresentado como sistema de referência para o ser humano, cuja vida deveria estar em conformidade com as leis da natureza: «Deus quando o mundo criou/ ordenou a paz comum/ e com amo insinou/ o devê de cada um/ os home pra trabaiá/ um ao outro respeitá/ e a boa estrada segui…/ e os bichos irracioná/ promode se alimentá/ produzi e reproduzi» (s.d.: 3). A natureza e o cosmos são, para o poeta, manifestações do sagrado que nos lembram que deveríamos repensar os nossos fundamentos sociais, éticos e metafísicos: «Ainda hoje os animá/ as orde santa obedece/ sem uma virga faltá/ se alimenta, ormenta e cresce/ elas que nada margina/ que nada raciocina/ não pensa nem tem razão/ continua sem disorde/ sempre obedecendo as orde/ do sinhô da criação» (s.d.: 3).

  • 1 Marcos Maracajá, tal como outros poetas que abordam o drama da seca no sertão, também assinala a in (...)

8Patativa do Assaré é um dos poetas populares brasileiros que mais e melhor refletem sobre o lugar do nordestino na natureza, no ambiente e na sociedade. Em composições como O Poeta da Roça, Eu e o Sertão, Vida Sertaneja, Caboclo Roceiro, No Terreiro da Choupana, A Terra é Naturá, O Retrato do Sertão ou Minha Serra, ele revela-se, como no ABC do Nordeste Flagelado, um poeta inspirado que denuncia, expõe, instrui aqueles a quem mais diretamente se dirige: os nordestinos que sofrem com a falta de uma reforma agrária e com a inércia de uma classe política que, na sua opinião, nunca se preocupou em resolver os problemas dos sertanejos. Num depoimento concedido a Cláudio Cerri, ele lembra que «A seca pertence ao império da natureza, mas pode ser resolvida pelo homem. Em países de clima igual ou pior que o nosso, o problema de abastecimento de água foi superado. A diferença aqui é que os donos do poder não se interessam pela solução. Eles vivem do problema» (1994)1.

9A partir de finais da década de 70 do século XX, e, sobretudo, nos últimos dez anos, apareceram folhetos que nos permitem falar, ainda com mais rigor, do ciclo «natureza e ecologia» («natureza e ambiente» ou só «ecologia») na literatura de cordel brasileira, e acrescentá-lo às classificações de autores como Leonardo Mota, Cavalcanti Proença, Orígenes Lessa ou Ariano Suassuna (Júnior, 1986: 52-54).

10Alberto Porfírio, no folheto Não Mate a Natureza, saído em 1979, é um dos poetas que primeiro se insurgem no cordel contra o paradigma excessivamente tecnológico. Este autor, sintonizado com a consciência ecológica mundial, refere-se quer à força destruidora do ser humano com poder de decisão política e económica, quer à ignorância e à inconsciência do cidadão comum. É com contundência e sentido de justiça que Alberto Porfírio contesta o modelo económico e financeiro vigente, que não prevê os interesses dos explorados nem as aspirações dos movimentos ecologistas e de defesa do ambiente: «Está errada, senhores,/ essa distribuição./ Uns têm muito e muitos, nada./ Por causa da ambição./ Será que alguém não conhece/ do problema, a solução?// Conhece, todos conhecem/ como corrigir a falha./ O espaço é para as aves,/ a terra é pra quem trabalha./ Quem não se apercebe disso/ é imbecil e canalha» (1979: 6).

11O poeta não quer limitar o progresso, mas nota que a tecnologia tem de estar ao serviço de uma relação equilibrada entre a natureza e as pessoas, entre os ritmos naturais e o crescimento. O ser humano corre o risco de se autodestruir, se não controlar a sua ânsia de conquista e de dominação sobre tudo o que existe: «Os cientistas modernos/ arriscam terríveis planos/ em seus estouros atômicos/ nas águas dos oceanos/ onde exterminam os peixes/ e ameaçam os humanos.// Agora nos perguntamos:/ A salvação, qual seria?/ E respondemos: usarmos/ toda tecnologia/ pensando no bem comum/ com paz e muita harmonia» (1979: 5).

12No folheto Conversa da Caapora com o Saci Pererê (1992), Abraão Batista aborda também as relações entre o ser humano e a Terra. O título não indica o tema, mas os primeiros versos mostram-nos imediatamente que estamos perante um autor preocupado com a destruição do meio ambiente e interessado em contribuir para a mudança das mentalidades: «Quando o homem contraria/ a terra e a Natureza/ por certo, em algum dia/ ela mesma, com certeza/ dá o troco para o homem/ com toda sua beleza» (1992: 1).

13O poeta sabe que a degradação ambiental e a injustiça social se interligam num contexto que é cada vez mais de trocas e interesses comerciais à escala global. A desflorestação tropical, o lixo radioativo, a poluição do ar, da terra e dos oceanos, provocada em especial pelo petróleo, são alguns dos problemas que a Caapora e o Saci Pererê discutem, atribuindo a responsabilidade ao ser humano em geral e, em particular, aos brasileiros, mas também aos norte-americanos, europeus (de que destaca os alemães, ingleses e os franceses) e orientais (sobretudo os japoneses).

14Na Conversa da Caapora com Saci Pererê, a perspectiva sobre as questões ambientais é a de que o Homem e os países se movem pela ganância e pelo desrespeito pelo meio ambiente e pelos seres humanos que vivem ou viviam em harmonia com as leis da natureza: «– Aniquilaram os índios/ que eram donos do chão./ Quem foi que nas Américas/ dez mil tribos massacrou?/ Incas, Maias, Guaranis/ e o que foi que restou?/ – A pesarosa saudade/ daquele que escapou!» (1992: 4). Isto apesar das reuniões que visam encontrar medidas para pôr fim à crise ambiental, como a que, como lembra a Caapora a abrir a conversa com o Saci, vão fazer no Rio de Janeiro, «pra destruição darem fim» (1992: 3).

15Conversa da Caapora com Saci Pererê é um poema que pretende ser interventivo e pedagógico. Não faltam as críticas diretas aos políticos, nem a identificação e a apresentação de propostas de resolução dos graves problemas ambientais do Brasil: «O Saci disse: insisto –/ disso tudo, o causador/ são as indústrias pesadas;/ e o grande poluidor/ é o petróleo que faz/ na nossa flora um clamor.// De um pulo a Caapora/ saltou ligeiro no chão/ bebeu água da fonte/ pegou um pássaro na mão/ deu um beijo bichinho/ e apertou-o ao coração.// – Quem derrubar uma árvore/ devia plantar mais cem/ quem matar um passarinho/ aquele, como ninguém, devia ser instruído.// – Eu acho que o causador/ de tanta devastação/ é a falta de escolas/ e uma boa educação/ quem destrói a Natureza/ consome-se na podridão» (1992: 6).

16Levar a educação escolar a toda a população, para que todos se possam construir em consciência, igualdade e liberdade; diminuir o impacto negativo das tecnologias e das indústrias pesadas; e superar a megalomania e o culto do dinheiro (o que só é possível se houver uma relação justa entre o ser humano e os elementos da natureza): eis o que se depreende das palavras destas personagens do maravilhoso brasileiro. A Caapora e o Saci falam do perigo de destruição do Brasil e da humanidade, mas também lançam um apelo, no final, ao Homem, que «é o nosso destruidor»: «– Agora falo por eles/ pedindo compreensão:/ respeitem a Natureza/ e a minha Grande Nação!», diz o Saci (1992: 9).

17No folheto Posição de Dois Poetas sobre a Eco 92 (s.d.), Abraão Batista e Carlos Barros retomam a referência à Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente, realizada no Rio de Janeiro em Junho de 1992. A reação dos dois, que aparecem no folheto a escrever um ao outro em forma de carta de cordel («Meu caro mestre Batista/ que de Batismo é Abraão/ recebi a sua carta/ já li com dedicação/ sobre a lei que estimula/ as artes do meu sertão», lê-se na primeira estrofe), é de lamento e de repúdio pelo fracasso do encontro. Os dois notam as boas intenções de muitos países e criticam os Estados Unidos da América, a quem, juntamente com europeus e japoneses, atribuem a responsabilidade pelos desastres ambientais e pelos desequilíbrios entre países pobres e países ricos.

18Manoel Santamaria, em O Rio e a Eco-92, também se refere a esta conferência mundial, mas fá-lo antes da sua realização, enumerando os problemas que devem ser debatidos e resolvidos. Daí, talvez, o tom otimista com que encerra o folheto, apesar da certeza de que este é «Um mundo cada vez mais/ consumido e decadente» (s.d.: 1): «– Uma ciência moderna,/ ramo da Biologia,/ que a todos os organismos/ vivos congrega hoje em dia,/ junto ao meio ambiente. – Cultive a ECOLOGIA» (s.d.: 8).

19Gonçalo Ferreira da Silva, no folheto A Natureza e o Homem (s.d.), preconiza igualmente uma ética da Terra em que todos os elementos da natureza, vivos e não vivos, humanos e não humanos, sencientes e não sencientes, têm valor intrínseco. Uma planta é uma entidade viva com significado intrínseco e, por isso, tem direito a ser respeitada e pensada enquanto tal pelos seres humanos, que são, pelo atributo da razão, agentes morais: «Somente com muitos anos,/ caminho da perfeição,/ os homens entenderão/ que os vegetais sentem dor,/ sentirão a dor na cor/ de um caule emurchecido/ depois que foi atingido/ pela foice malfazeja/ quando a seiva lacrimeja/ no vegetal já caído» (s.d.: 4). Esta perspectiva biocêntrica, de reconhecimento do valor absoluto dos seres da natureza, incluindo as plantas, é também a de Teófilo de Azevedo Filho, em Tudo Isso é o Poder da Natureza: «A árvore quando é derrubada/ ela chora e morre lamentando/ ela tem vida, você está tirando/ a seiva é o seu sangue camarada/ de dor ela chora a machadada/ o homem não entende a franqueza/ ela faz parte de uma pureza/ que nos dá oxigênio prá viver/ sem ela, podemos até morrer/ tudo isso é o poder da natureza» (s.d.: 5).

20Tal como Abraão Batista, Gonçalo Ferreira da Silva responsabiliza as políticas e os interesses internacionais pelos desastres ambientais brasileiros e mundiais, e considera por isso que deve ser o Brasil a desenvolver uma gestão equilibrada dos seus recursos naturais: «A nível nacional/ nós devemos ter cuidados/ com muitos interessados/ na preservação local,/ o problema ambiental/ pertence a nós brasileiros/ os verdadeiros herdeiros/ das riquezas brasileiras/ não vamos dá-las inteiras/ nas mãos dos interesseiros» (s.d.: 7).

21O problema é global («Qualquer mera discussão/ mesa redonda, palpites/ em torno só dos limites/ desta nossa região/ não nos trará solução/ da questão ambiental,/ o problema é mundial» (s.d.: 1)), mas o poeta, ao contrário de outros cordelistas, é, apesar de tudo, otimista. Acredita na responsabilidade humana e, assim, proclama (deduzindo-se das suas palavras que é a favor do estatuto jurídico da natureza): «O meio ambiente espera/ que mãos humanas e ágeis/ venham socorrer os frágeis/ viventes da biosfera,/ urge nossa atmosfera/ muito menos poluída/ com fundamental medida/ posta em prática com urgência/ botando a nossa ciência/ sempre a serviço da vida» (s.d.: 4).

22Os folhetos Devastação (2001) e A Fúria da Natureza (2005), de Caxiado, inserem-se nesta perspectiva de crítica ao ser humano e de alguma esperança em relação ao futuro da Terra. Anunciam o apocalipse e notam, ao mesmo tempo, que ainda é possível evitar a catástrofe definitiva, se se souber colocar a ciência e a tecnologia ao serviço de uma integração equilibrada do Homem na natureza: «Pelas fotos dos satélites/ Vemos nuvens de fumaça/ São provas de que vivemos/ Sobre grande ameaça/ Devemos estar em alerta/ Ninguém sabe a hora certa// Das tragédias e desgraça/ O planeta em desalinho/ Necessita de urgência/ Os desastres acontecem/ Por falta de competência/ O homem é negligente// Eles que trazem pra gente/ Perigos e conseqüência./ Nós assistimos perplexos/ A força da violência/ Na fúria da natureza/ Terremotos com frequência/ Pra evitar calamidade/ Basta que a humanidade/ Use mais da consciência» (Caxiado, 2005: 70).

23Na última década, a literatura de cordel intensificou a promoção da cidadania ecológica através da diversificação das suas estratégias discursivas, de divulgação e de ação. São muitos os folhetos que incentivam os leitores a investir em comportamentos de preservação e de recuperação do meio ambiente, ocupando-se, às vezes, de problemas mais ou menos específicos, como o da poluição de um rio (Guerreiro: s.d.; Caldas: 2001) ou de uma serra (Alfredo, 2000), e enaltecendo casos de sucesso de proteção ambiental que envolvem populações ou pessoas individuais (Lacerda: 2010); são inúmeras as iniciativas que juntam cordelistas e associações de promoção da natureza e do ambiente, como acontece no folheto APA – Chapada do Araripe. Preservar é Preciso (Lacerda: 2001), que se situa na linha interventiva que vem da década de 90 (Brito: 1995; Flávio: 1998), na qual há até poetas que, pensando na internacionalização do cordel, escrevem em inglês (Santa Helena, 1990); e não falta a ação do Estado, através do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (IBAMA), que tem promovido a produção e divulgação de cordéis ecológicos, como o folheto Respeite a Lei da Natureza (1992), de Luciano Carneiro de Lima.

24Neste conjunto de folhetos sobre temas ambientais específicos, sobressaem os que refletem sobre um recurso natural cada vez mais escasso e disputado: a água, que estará, a curto prazo, na origem de conflitos entre grupos e países, como notam especialistas de diversas áreas do conhecimento. José Rogaciano S. de Oliveira, no folheto Água no Semi-Árido (s.d.), lembra que o acesso à água é um direito humano e que «(…) a guerra do futuro/ será por água, é verdade/ sem água se acaba a vida/ de toda a humanidade,/ sem água não é possível/ viver no campo e na cidade» (s.d.: 4). O objetivo mais imediato deste poema é contribuir para a difusão de uma tecnologia simples e ecológica de armazenamento de água potável: «A água que cai nas chuvas/ é possível aproveitar/ numa cisterna de placas/ esta água armazenar/ água limpa e cristalina/ pra beber e cozinhar» (s.d.: 5).

25Mas o poeta também enquadra o seu discurso num pensamento mais amplo de política pública e de ordenamento do território. As comunidades mais periféricas e pobres são prejudicadas na distribuição dos recursos hídricos, e por isso José Rogaciano S. de Oliveira protesta, dando voz aos marginalizados: «É uma contradição/ deste sistema mesquinho/ tanta fome e tanta sede/ o mundo em desalinho/ desperdiçando água boa/ pelo meio do caminho» (17). A estrofe final, exortativa e laudatória da natureza e dos pequenos seres que nela habitam, apela a uma ética da água: «Vamos preservar a água/ a abelha, a borboleta/ os recursos naturais/ merecem outra faceta/ a água é indispensável/ pois ela é responsável/ pela vida do planeta» (22).

26Gonçalo Ferreira da Silva, em Ecologia: Habitat – Laboratório onde a Vida É Produzida pela Natureza, também faz a apologia da «exuberância e beleza» (2010: 5) da Terra, mas não louva Deus pela bondade e maravilha da Criação, nem insiste na crítica ao ser humano. A sua abordagem, objetivamente científica e informativa, quer ser um convite à percepção e ao conhecimento exato da natureza. Daí as considerações acerca da morfologia e do funcionamento dos elementos básicos da vida e do seres vivos, da água, ao ar, ao oxigénio, à fauna e à flora; e daí a assunção, sem negativismo, de que a morte é uma componente essencial da vida.

27O deslumbramento do poeta perante a natureza não se esgota na visão idílica que esquece a crueza e o vitalismo da natureza; também inclui o movimento, as ligações e as transformações que existem em tudo quanto vive: «Vamos, mestres e alunos,/ falar de meio ambiente,/ laboratórios da vida/ onde todo ser vivente/ nasce, fica adulto e morre/ em cadeia permanente.// No reino animal, os seres/ não sobrevivem isolados/ dos organismos mais simples/ até os mais complicados/ estão dentro do conjunto/ inter-relacionados» (2010: 3). Gonçalo Ferreira da Silva aceita, com objetividade e maravilhamento, as leis da natureza e de propagação da vida através da morte, que aparecem exemplificadas sem qualquer estilização: «Come a aranha o inseto/ que vaga desprevenido/ o pássaro come a aranha/ que às vezes distraído/ é pelo gato-do-mato/ capturado e comido.// Depois, seguindo o processo/ da Natureza em ação/ o gato morre, e seu corpo/ entra em decomposição/ e passa a alimentar/ a nossa vegetação» (2010: 18-19).

28Na linha de alguns folhetos publicados na década de 80 e dirigidos sobretudo ao público estudantil (Essa tal de Ecologia, 1980, de Maria Helena Costa, ou A Ecologia e as Ciências Naturais, 1985, de José Severino Cristóvam), há cada vez mais autores que produzem cordéis ecocêntricos a pensar no seu uso pedagógico e didático.

29Cordéis como Ecordel – 92 – Rio – Brasil (1992), de Raimundo Santa Helena, As Crianças do Brasil Defendendo a Natureza (2000), de Francisco L. Quental e Klévisson Viana, Cordel para Criança (2001), de Pedro Costa, ou Criança Responde. Cordel Infantil (s.d.), de Isaura de Melo Souza, obedecem aos princípios fundamentais preconizados pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a organização da prática pedagógica nas instituições de educação infantil. Estes folhetos, numa linguagem expressiva e lúdica, despertam a curiosidade e a sensibilidade, valorizam a responsabilidade individual e coletiva, desenvolvem a capacidade de ler o mundo através de linguagens múltiplas e alternativas (contrariando a hegemonia simplificadora daqueles que promovem o consumo exclusivo de mensagens emanadas dos centros de poder político e cultural).

30Os folhetos Cordel para Criança e Criança Responde. Cordel Infantil, construídos numa estrutura de pergunta-resposta, apresentam ao leitor jovem (e não só) uma série de sextilhas que são autênticas adivinhas. Estes textos, tal como a adivinha popular, subvertem e reinventam as estruturas mentais ancilosadas, através de um estranhamento criador que valoriza outras visões sobre o real e sobre a linguagem verbal: «Trabalha muito, o coitado/ capim é o seu alimento/ trabalha usando cangalha/ suportando o sofrimento/ relincha pra dar as horas/ quem é ele? É o jumento» (Souza, s.d.: 1); «Anda sempre em rebanho/ e faz festa à tardezinha/ gosta muito de igreja/ se esconde de manhãzinha/ nem é pombo e nem marreco/ que ave é essa? A andorinha» (Costa, 2001: 5).

31Mas o folheto de cordel, enquanto fonte de educação estética, ética e social, não se limita à educação formal de Língua Portuguesa e de Literatura Brasileira. Em contexto informal, em oficinas promovidas por diversos agentes culturais, o cordel é objeto de estudo e de práticas educativas diversas (a composição textual e a construção gráfica e material de um folheto de cordel, dramatização, etc.), envolvendo crianças e adultos, professores e educadores em geral. Percebe-se cada vez mais que o cordel permite a abordagem de temas transversais, do multiculturalismo à história brasileira e universal, e dessa forma favorece o desenvolvimento da expressão e da comunicação e o conhecimento do mundo.

32Acompanhando o desenvolvimento e a adaptação da literatura de cordel à sociedade atual através do tratamento de novos temas (o respeito pela diferença sexual e religiosa…), mas também a sua importância enquanto acervo de temas clássicos, a Universidade tem contribuído para o seu conhecimento, valorização social e integração no processo de ensino-aprendizagem. São muitos os artigos que analisam a literatura de cordel a partir da sua relevância educativa para todas as áreas do saber; e são também muitas as teses académicas que estudam o cordel de um autor ou tratam um ou vários temas, a partir de metodologias, mais ou menos interdisciplinares, de disciplinas como a História, a Geografia, a Religião, a Literatura, a Linguística ou a Educação.

33Os conteúdos do cordel adaptam-se ao público infantil e juvenil, mas também a forma, o grafismo e a ilustração destes cordéis acompanham as tendências da moderna literatura infanto-juvenil. Apesar de o folheto infantil se manter, no essencial, fiel ao paradigma tradicional, há cada vez mais capas com ilustrações a cores e num tipo de papel mais resistente; e também existem folhetos ilustrados no interior e com formatos que ultrapassam as medidas e a extensão mais comuns.

34Uma Aventura na Amazônia, de Marcos Mairton, é um bom exemplo de cordel infantil ilustrado. Daniel, o pequeno herói desta narrativa, foi salvo e acolhido temporariamente por índios, depois de o barco em que seguia com os pais ter sofrido um acidente. Durante o tempo em que vive com os índios, não se esquece da sua família, mas não adota uma posição etnocêntrica. Enquanto esperava pelo barco que por ali passava uma vez por mês, adaptou-se ao modo de vida da tribo e aprendeu a respeitar a natureza, a conhecer os animais, a ver-se numa relação de igualdade com os outros seres, cuja dignidade e direitos passou a saber reconhecer: «Aprendeu nomes de aves,/ de peixes e animais./ Cada dia que passava/ aprendia um pouco mais» (35); «Às vezes, quando pensava/ na sua família ausente,/ ele imitava um guariba/ com seu grito estridente./ Vendo o que acontecia/ o Pagé sempre dizia: “Ele é índio como a gente”» (35).

35Esta aprendizagem não se perdeu com o regresso de Daniel a casa. O efeito prático foi imediato, já que ele devolveu à natureza o macaco-aranha que o tio lhe oferecera. Daniel percebeu que a sua situação, longe da família, era semelhante à desse animal, por cuja perda de liberdade ele fora responsável. Mudou o seu pensamento em relação à natureza e ao ambiente, e mudaram também os seus comportamentos. Daniel, habituado pelos pais a apreciar os diferentes tipos de cultura, as paisagens humanizadas e o mundo natural, não tinha, todavia, uma consciência verdadeiramente formada acerca do valor moral da natureza. A experiência de Daniel, transmitida num relato que combina aventura e conhecimento científico, cultura e cidadania, palavra e imagem, contraria assim a desproporção que parece existir entre as ideias e os atos ecológicos daqueles que se consideram ambientalistas. E não deixa de ser significativo que na mudança de paradigma de Daniel esteja uma tribo de índios, cujo modelo de relacionamento com a Terra tem inspirado a redefinição, no Ocidente, do binômio Homem-Natureza.

36No final do texto o autor juntou uma série de jogos didáticos, «curiosidades» sobre alguns lugares de referência cultural (como o Centro Cultural dos Povos da Amazônia) e um glossário que engloba termos do ambiente natural e da cultura criada pelo Homem, incluindo siglas de organismos ligados à proteção da natureza. Esta estratégia vem reforçar a relação que existe neste folheto entre poesia e ciência, ludismo e conhecimento, contemplação da natureza e ação ambiental.

37O valor deste folheto deve-se também à correção gramatical, tanto no nível linguístico como no da pontuação. Torna-se evidente que Marcos Mairton revê os seus cordéis com cuidado, de modo a evitar gralhas e erros gramaticais que diminuiriam a importância educativa dos textos, tendo em conta o uso pedagógico-didático a que se destinam: «A criança de hoje em dia/ na escola cedo aprende/ as coisas da Natureza,/ e por isso compreende/ que os animais da mata/ a gente nunca maltrata,/ nem tampouco a gente prende.// Mesmo assim, ainda existem/ homens mal acostumados,/ que pegam os animais,/ na mata capturados,/ e levam para a cidade/ pra viver sem liberdade,/ tristes e engaiolados» (Mairton, 2008: 8).

38Este compromisso com o português padrão escrito não diminui a oralidade do texto, nem prejudica a ligação do autor à família dos poetas populares brasileiros, de que ele é assumidamente herdeiro. O cordel de Marcos Mairton não se quer superior ao de poetas populares não escolarizados. O pressuposto de Mairton é o de que qualquer variedade linguística do cordel é válida, desde que reflita naturalmente os sistemas e subsistemas dos autores, e desde que obedeça, na leveza e na fluência da prosódia, à arte poética tradicional. Esta é uma poesia escrita para ser dita que, ao colocar-se do lado da língua popular, nem por isso se afasta da língua da escola.

39Questões como as do popular e do culto, do oral e do escrito ou da tradição e da criação poderão ser discutidas a partir de atividades lúdicas de expressão oral e escrita em que se comparem as obras de um Patativa do Assaré com as de poetas como Mairton. Dizer um cordel em voz alta ou escrever e compor materialmente um folheto são exercícios que permitem mostrar aos alunos que pode haver muito interesse estético, humano e social numa obra em que não esperaríamos encontrar senão vulgaridades e pobreza literária e ideológica. Nestas atividades entram não só competências básicas de comunicação, mas também competências de socialização e compreensão do outro. O aluno aprende a colocar a voz em altura, ritmo e intensidade, a escrever com correção e responsabilidade ético-moral; e poderá eventualmente aperceber-se e libertar-se de preconceitos e discriminações de classe social, género, etnia ou raça.

40Se os professores souberem e puderem adotar as estratégias adequadas, poderão mostrar que um simples folheto, não obstante o seu reduzido formato, o seu baixo preço de produção e aquisição ou a sua fragilidade material, pode valer mais do que muitos romances que se vendem aos milhares, por razões que nada têm a ver com a literatura. Mas, como é óbvio, convém, para não se cair em idealizações e generalizações, notar que, tal como há má Literatura, também há literatura de cordel com pouco ou nenhum valor literário.

41No cordel de Antônio Francisco Os Sete Constituintes ou Os Animais Têm Razão (2002), em que também é evidente o compromisso entre a oralidade e a língua escolar, encontramos uma forma de expressão e de espírito que, talvez pela seriedade do tema da natureza e do ambiente, se vê pouco nestes folhetos: o humor, que o autor consegue conciliar com o registo irónico e satírico. Na voz dos protagonistas, animais domésticos e selvagens, deparamos com um pensamento que não é o da maioria dos seres humanos, que aqui saem ridicularizados e condenados pela sua irracionalidade: «O porco dizia assim:/ “– Pelas barbas do capeta!/ Se nós ficarmos parados,/ a coisa vai ficar preta…/ Do jeito que o homem vai,/ vai acabar o planeta.// Já sujaram os sete mares/ do Atlântico ao mar Egeu,/ as florestas estão capengas,/ os rios da cor de breu/ e ainda por cima dizem/ que o seboso sou eu”» (2002: 3).

42N’Os Sete Constituintes, a crítica ao ser humano é feita por esses animais que o poeta afirma ter visto reunidos no sertão, debaixo de um juazeiro, cuja beleza e força são exaltadas nas primeiras estrofes: «Quem já passou no sertão/ e viu o solo rachado,/ a caatinga cor de cinza,/ duvido não ter parado/ pra ficar olhando o verde/ do juazeiro copado.// E sair dali pensando:/ como pode a natureza/ num clima tão quente e seco,/ numa terra indefesa/ com tanta adversidade/ criar tamanha beleza» (2002: 1). O juazeiro, que resiste às estiagens longas e oferece sombra, madeira e frutos, é um recurso e um símbolo tanto da natureza como do sertanejo, e é, portanto, um património que deve entrar no imaginário de qualquer brasileiro: «O juazeiro, seu moço,/ é pra nós a resistência,/ a força, a garra e a saga,/ o grito de independência/ do sertanejo que luta/ na frente da independência» (2002: 1).

43Ao pôr em verso o modo como o sertanejo se vê subjetivamente num meio ambiente agreste, Antônio Francisco reproduz e cria um imaginário ecológico que nasce de uma relação de simbiose perfeita entre o meio ambiente e o ser humano, que nela se acolhe e a imita na sua capacidade de adaptação e de luta constante pela vida: «Nos seus galhos se agasalham/ do periquito ao canção./ É hotel do retirante/ que anda de pé no chão,/ o general da caatinga/ e o vigia do sertão» (2002: 1).

44Antônio Francisco e todos os poetas que se têm dedicado ao tema da natureza e da ecologia acreditam que o imaginário ecológico pode fecundar o imaginário dos leitores e repercutir-se numa relação mais justa entre o ser humano e as forças da natureza e da sociedade. Estes autores sabem que enriquecer a língua e o imaginário através do cordel, como faziam (e fazem) os mitos, as lendas e os contos, é pensar e sentir o mundo enriquecendo-o com a ecologia das palavras, que, por sua vez, são um reflexo do ser humano e do mundo natural. Nomeando poeticamente a natureza, o poeta torna-a existente para o leitor, que assim se envolve afetiva e intelectualmente com os elementos naturais e com as palavras.

45Nesta relação entre literatura de cordel e didática de várias disciplinas, podem entrar folhetos do ciclo da medicina tradicional (ou da natureza, se quisermos abrir o subgrupo «medicina tradicional») como os que José Costa Leite publicou em 1983: As Ervas Medicinais, Os Remédios Vegetais na Medicina Caseira ou Os Segredos da Natureza, entre outros.

46A perspectiva destes textos sobre a flora não é meramente instrumental. O poeta não quer apenas destacar os benefícios físicos que o leitor pode extrair desta medicina empírica. A celebração da natureza e os valores espirituais que o ser humano nela deve saber encontrar também são componentes essenciais destas composições, em que termos e procedimentos da gastronomia e da medicina tradicional se cruzam com a arte de fazer poesia. Ervas, plantas, sementes, legumes e a habilidade manual para os transformar em medicamentos de origem natural entram num discurso que é poesia, sabedoria tradicional e descrição etnográfica.

47O poeta, competente no uso do verso e das suas valências prosódicas e semânticas, nomeia espécies do reino vegetal e, com o rigor de quem herdou um conhecimento antigo, mostra como se pode curar através da natureza: «Feijão de boi ou feijão bravo/ cura a hidrofobia/ de todos os animais/ e é remédio de valia/ a pessoa que for usar/ veja como preparar/ e eu cito em poesia.// Raspe um galho de vegetal/ somente um palmo é bastante/ bote a raspa n'água fria/ agite bem que num instante/ fica tudo dissolvido/ coado é mais garantido/ a medicina garante» (1983a: 1).

48Um conhecimento empírico que se transmite oralmente é também divulgado por escrito, dentro de uma forma de expressão (a poesia) que o torna ainda mais memorável. Um discurso prosaico torna-se poético e memorizável com base na palavra estética e nas imagens fortes que ela dá a ver: «Para espirros ou defluxo/ tosse seca ou rouquidão/ aconselho que o leitor/ faça um chá com um limão/ que seja partido em cruz/ com um galho de mastruz/ e veja a continuação» (1983a: 2).

49Nos cordéis desta série, José Costa Leite mostra conhecer bem a relação entre as crenças e as atitudes da população rural brasileira e a doença, em que entram as suas formas de organização social, religiosa, económica e familiar: «Vou versar mais um cordel/ sobre a flora brasileira/ que cura o homem do campo/ que vive sua quebradeira/ e não vai nos hospitais/ Os Remédios Vegetais/ Na Medicina Caseira.// É um cordel especial/ que dar toda a explicação/ sobre remédios caseiros/ o chá ou a infusão/ cura mesmo de verdade/ desde a antiguidade/ na primeira geração (1983b: 1).

50O poeta apoia formas de pensar e de intervir sobre a enfermidade e os enfermos que são alternativas às da medicina oficial, legitimada pelo Estado e pelas classes que a podem pagar. O prestígio desta medicina está na natureza, na experiência de muitos séculos daqueles que a souberam usar com sabedoria, na religião e, através do cordel, também na poesia, ao mesmo tempo escrita e oral (escrita mas radicando na voz, e escrita tanto para ser lida como dita): «Contei neste meu livrinho/ os Segredos da Natureza/ se o leitor quer ter certeza/ tente usar direitinho/ abrindo logo o caminho/ leia o livro sem demora/ e seja fiel desde agora/ inclusive o modo de usar/ tenha fé de se curar/ e mande a doença ir embora» (1983c: 8).

51Contra a crise da literatura (na sociedade e na universidade), que é uma crise de valores humanistas (Silva, 2010), os cordéis de que aqui falámos propõem-se cumprir dinamicamente as funções sociais e culturais de que a literatura de cordel sempre se incumbiu. Nestas funções entram a valorização e a democratização da língua portuguesa, que os cordelistas se orgulham de saber usar com criatividade e sentido humanista. A língua portuguesa é, como lembra Vítor Manuel de Aguiar e Silva, «a mais esplendorosa, perdurável e irradiante criação de Portugal» (9), mas há muito deixou de ser uma língua exclusiva de portugueses. Língua de comunhão universal, de entendimento entre países, comunidades e pessoas de várias partes do mundo, o português experimenta-se e enriquece-se no cordel. Se devidamente valorizado e divulgado, este fenómeno literário e cultural poderá ser cada vez mais um dos grandes ex-líbris da cultura brasileira e da língua portuguesa, e um símbolo de liberdade de expressão.

52O cordel, ao conciliar diversos registos e níveis de língua, múltiplos saberes e pontos de vista, é, como acontece em relação a toda a boa literatura, «um conhecimento que está profundamente ligado às emoções e aos afetos» (Silva, 2010: 214). Estes estados psicossomáticos não são incompatíveis com o rigor descritivo e científico que costuma caracterizar os cordéis infantis e juvenis. Da emoção e do afeto, muito pelo contrário, em harmonia com causas racionais, vem a motivação para o estudo dos temas científicos apresentados poeticamente: «Belo mesmo de se ver/ é o pássaro costureiro,/ cose o ninho com perícia,/ é artista estrangeiro,/ Orthotomus Longicauda/ é seu nome verdadeiro.// O artista africano,/ do tamanho de um pardal,/ usa teias de aranha,/ de forma original,/ costura juntando folhas,/ dando um ponto no final.// Faz um ninho na palmeira,/ de maneira artesiana,/ com boa porta e janela,/ como arte soberana,/ fica tudo tão perfeito/ que parece uma cabana» (Quental e Viana, 2000: 9-10).

53Como se vê, a literatura de cordel continua empenhada em redefinir a relação do ser humano consigo mesmo, com a natureza e o universo. Os folhetos do ciclo da natureza e do ambiente, convocando domínios tão diferentes, mas complementares, como a ciência, a política, a economia e a literatura, enfrentam um problema complexo que é local e global. Realistas e pragmáticos, mas também investidos da força utópica da poesia e do louvor das pequenas e das grandes coisas da natureza, estes poetas querem contribuir para um novo paradigma social e cultural, para uma nova condição do homem moderno dentro da ordem da natureza.

Haut de page

Bibliographie

Assaré, Patativa do, A Terra É Naturá, in Congresso Andes. Homenagem aos 90 Anos do Poeta Patativa do Assaré, Fortaleza, Arte Visual, 1999.

Assaré, Patativa do, Patativa do Assaré: Uma Voz do Nordeste, 3ª ed., introdução e selecção de Sylvie Debs, São Paulo, Hedra, 2001.

Assaré, Patativa do, O Meu Livro, Juazeiro do Norte, Universidade Regional do Cariri / Vozes / Lira Nordestina, s. d [19--]. Folheto de cordel.

Batista, Abraão, Conversa da Caapora com o Saci Pererê, Juazeiro do Norte, s.e., 1992. Folheto de cordel.

Batista, Abraão, e Barros, Carlos. Posição de Dois Poetas sobre a Eco 92, Juazeiro do Norte, s.e., s.d. [19--]. Folheto de cordel.

Caxiado, Devastação, 3. ed., Caruaru, s.l., 2001. Folheto de cordel.

Caxiado, A Fúria da Natureza, Caruaru, s.l., 2005. Folheto de cordel.

Cerri, Cláudio, «Canto da Terra», in Globo Rural, Rio de Janeiro, 1994.

Costa, Maria Helena, Essa tal de Ecologia, Rio de Janeiro, s.e., 1980. Folheto de cordel.

Costa, Pedro, Cordel para Criança, S.l., Fundação Nordestina de cordel, 2001. Folheto de cordel.

Cristóvam, José Severino, A Ecologia e as Ciências Naturais, Caruaru, s.e., 1985. Folheto de cordel.

Filho, Teófilo de Azevedo, Tudo Isso é o Poder da Natureza, s.l., s.e., s.d. [19--]. Folheto de cordel.

Flávio, José, Cuide do Meio Ambiente pra Dar Qualidade à Vida, Juazeiro do Norte, Ceará, SESC, 1998. Folheto de cordel.

Francisco, Antônio, Os Sete Constituintes ou os Animais Têm Razão, 3ª ed., Mossoró, Pedagogia da Gestão, 2002. Folheto de cordel.

Guerreiro, Edvaldo, Vamos Salvar os Rios, s.l., s.e., s.d. [19--]. Folheto de cordel.

Júnior, Manuel Diégues, «Ciclos temáticos na literatura de cordel (tentativa de classificação e de interpretação dos temas usados pelos poetas populares)», in Júnior, Manuel Diegues, Literatura Popular em Verso: Estudos, Belo Horizonte / São Paulo, Itatiaia / Editora da Universidade de São Paulo / Fundação Casa de Rui Barbosa, 1986, p. 27-177.

Lacerda, Josenir A. de, APA Chapada do Araripe. Preservar É Preciso, Crato, Fundação de Desenvolvimento Tecnológico do Cariri – FUNDETEC, 2001. Folheto de cordel.

Lacerda, Josenir, A Moça do Encantamento e a Fada da Natureza, Crato, SESC, 2010. Folheto de cordel.

Leite, José Costa, As Ervas Medicinais, Olinda, Fundação Casa das Crianças de Olinda, Secretaria de Saúde de Olinda, 1983a. Folheto de cordel.

Leite, José Costa, Os Remédios Vegetais na Medicina Caseira, Olinda, Fundação Casa das Crianças de Olinda, Secretaria de Saúde de Olinda, 1983b. Folheto de cordel.

Leite, José Costa, Os Segredos da Natureza, Olinda, Fundação Casa das Crianças de Olinda, Secretaria de Saúde de Olinda, 1983c. Folheto de cordel.

Lima, Luciano Carneiro de, Respeite a Lei da Natureza, Crato, Academia dos Cordelistas do Crato, 1992. Folheto de cordel.

Mairton, Marcos, Uma Aventura na Amazônia, ilustrações de Rafael Limaverde, S.l., Edições Imeph, s.d. [2008]. Folheto de cordel ilustrado.

Maracajá, Marcos, O Massacre da Seca, Olinda, Casa das Crianças de Olinda, 1983. Folheto de cordel.

Oliveira, José Rogaciano S. de., Água no Semi-Árido, 5ª ed., s.l., ASA, Programa de Formação e Mobilização Social para a Convivência com o Semi-Árido: Um Milhão de Cisternas Rurais – P1MC, S.d. [19--]. Folheto de cordel.

Porfírio, Alberto, Não Mate a Natureza, Fortaleza, Secretaria de Cultura e Desporto, 1979. Folheto de cordel.

Quental, Francisco L., e Viana, Klévisson, As Crianças do Brasil Defendendo a Natureza, Fortaleza, Tupynanquim Editora, 2000. Folheto de cordel.

Santa Helena, Raimundo, Brazilian Amazonia – I Love You, Brasil, Rio de Janeiro, s.e., 1990. Folheto de cordel.

Santa Helena, Raimundo. Ecordel – 92 – Rio – Brasil, Rio de Janeiro, s.e., 1992. Folheto de cordel.

Santamaria, Manoel, O Rio e a Eco-92: O Grande Debate em torno da Vida, Araruama, s.e., s.d. [19--]. Folheto de cordel.

Silva, Gonçalo Ferreira da, A Natureza e o Homem, s.l. [Rio de Janeiro], s.e., s.d. [19--]. Folheto de cordel.

Silva, Gonçalo Ferreira da, Ecologia: Habitat – Laboratório onde a Vida É Produzida pela Natureza, Rio de Janeiro, Academia Brasileira de Literatura de Cordel, 2010. Folheto de cordel.

Silva, Vítor Manuel de Aguiar e, As Humanidades, os Estudos Culturais, o Ensino da Literatura e a Política da Língua Portuguesa, Coimbra, Almedina, 2010.

Souza, Isaura de Melo, Criança Responde. Cordel Infantil, s.l, s.e., s.d. Folheto de cordel.

Haut de page

Notes

1 Marcos Maracajá, tal como outros poetas que abordam o drama da seca no sertão, também assinala a indiferença dos políticos perante o sofrimento das populações: «O Nordeste está sofrendo/ com grande seca medonha,/ quase todo dia o homem sonha/ ela desaparecendo;/ o Poder não está vendo/ não toma nenhuma ação/ pra acabar a destruição,/ ficamos na mesma agonia,/ a seca é uma profecia/ que massacra meu sertão» (1983: 1).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Carlos Nogueira, « O ciclo «natureza e ecologia» na literatura de cordel brasileira », Caravelle, 98 | 2012, 185-201.

Référence électronique

Carlos Nogueira, « O ciclo «natureza e ecologia» na literatura de cordel brasileira », Caravelle [En ligne], 98 | 2012, mis en ligne le 01 juin 2012, consulté le 27 avril 2017. URL : http://caravelle.revues.org/1241 ; DOI : 10.4000/caravelle.1241

Haut de page

Auteur

Carlos Nogueira

Universidade Nova de Lisboa

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Caravelle – Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Logo IPEAT
  • Revues.org