Navigation – Plan du site
Icônes d’Amérique latine

Um ícone chamado PELÉ

Mauricio Murad
p. 171-182

Résumés

Cet article analyse la trajectoire d'Edson Arantes do Nascimento, dit Pelé, comme un icone de la culture brésilienne, de son football et même comme un symbole du football mondial. Il montre comment Pelé, noir et pauvre, est parvenu à se hisser au plus haut niveau du football, le sport le plus populaire et passionnant du monde. Pelé est le roi du football, l'athlète du siècle. On le tient pour le joueur le plus complet de tous les temps, pour le symbole des identités brésiliennes et pour le joueur de référence un peu partout dans le monde.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

  • 1 SporTv, Programa Pelé 70 anos, 23 de outubro de 2010.

Uma vez perguntaram a Puskas, o craque da grande seleção húngara de 1954, na Copa do Mundo da Suíça, e um dos maiores jogadores de seu tempo, quem era o melhor jogador de futebol do mundo, Pelé ou Di Stéfano. De pronto, Puskas respondeu: Di Stéfano! Di Stéfano?!?, espantou-se o repórter. Sim, Di Stéfano, confirmou Puskas, Di Stéfano. Você me perguntou, qual o melhor jogador de futebol do mundo. Pelé, meu amigo, Pelé é de outro mundo.1

1Edson Arantes do Nascimento (o nome de batismo de Pelé) nasceu em 21 ou 23 de outubro de 1940, na cidade de Três Corações, Minas Gerais, Brasil. Apesar de comemorar seu aniversário no dia 23 (a data mais provável de seu nascimento), não se tem certeza absoluta do dia exato em que nasceu... como a maioria dos mortais.

2(Coincidência mágica: hoje, resolvi começar a escrever este artigo e só aí é que me dei conta, que estamos no dia 23 de outubro de 2011, dia em que Pelé completa seus 71 anos de idade.)

3Pobre, preto e de baixa escolaridade, num país elitista, racista e excludente, Pelé é considerado o Rei do Futebol e foi eleito o maior jogador de futebol de todos os tempos (pela FIFA), além de ter sido escolhido também como o Atleta do Século. Do século XX. E tudo isso, em um mundo extremamente desigual e preconceituoso.

4Edson já foi chamado de «Negão», «Gasolina», «Fera», «Edico», «Dico» e até «Pilé», antes de Pelé, apelido que nem ele mesmo sabe ao certo, qual a origem e qual a razão. Talvez, por causa de Bilé, o goleiro amigo de seu pai, Dondinho, que só não foi adiante como jogador de futebol, por causa de uma grave contusão.

5O mesmo Dondinho, que ouviu de seu filho, com quase 10 anos de idade, a promessa mítica: não chore, pai, eu ganharei uma Copa pra você. Isto, porque seu pai chorava a derrota do Brasil, por 2 x 1, na decisão do Mundial de 1950, para o Uruguai, em pleno Maracanã. Promessa é dívida. Exagerado, Pelé não ganhou somente uma; ganhou três: 1958, 1962 e 1970. Sinais antecipados de um mito?

6Tricampeão mundial de futebol, uma das maiores celebridades de todos os tempos, 1281 gols marcados e oficialmente reconhecidos, mais de 50 títulos conquistados como jogador e um atleta considerado completo. No início dos anos 1990, a ONU fez uma pesquisa, para saber quais as palavras mais conhecidas no mundo, levando em consideração todos os setores de atividade. Este foi o resultado final: Pelé, Coca Cola e Papa.

7Pelé indiscutivelmente é um ícone do Brasil, da América Latina, do futebol mundial. E o futebol é o maior fenômeno de comunicação de massas da história da humanidade. Nenhum outro fenômeno, de qualquer tipo, supera a Copa do Mundo de futebol, do ponto de vista da audiência televisiva. A FIFA é a maior organização de países já registrada na história, maior do que a própria ONU e do que o COI, o Comitê Olímpico Internacional. Portanto, Pelé é muito maior do que se imagina à primeira vista, porque o futebol é bem maior do que se pensa.

8Pelé é o Rei do Futebol e o futebol, podemos dizer, é o esporte-rei, em quase todos os países do mundo. Dentre todas as modalidades esportivas, o futebol é aquela que consegue o maior impacto mundial, a maior audiência e talvez seja mesmo uma das maiores paixões planetárias. O futebol pode ser e tem sido em muitos casos, um processo lúdico que ajuda a reeducar, uma vez que sua lógica está fundamentada, em tese pelo menos, na igualdade de oportunidades, no respeito às diferenças e na assimilação de regras e normas de convivência com o outro.

  • 2 Jornal O PÚBLICO, Caderno de Cultura, p.11, 07/9/2008, Lisboa, Portugal.

9Atenção para o que disse Mario Vargas Llosa: «o futebol é o ideal de uma sociedade perfeita (simboliza essa possibilidade) – poucas regras, claras, simples, que garantem a liberdade e a igualdade dentro do campo, com a garantia do espaço para a competência individual».2

10O futebol em particular –outros esportes coletivos também– permite uma fina sintonia entre os planos individual e grupal, o que faz dele uma espécie de metáfora da vida. O futebol coloca em prática um dos ideais fundadores da democracia ocidental, daquilo que os gregos clássicos consideravam que era o melhor e o mais produtivo nas atividades humanas: a ação deve ser sempre coletiva, mas sem excluir o brilho da iniciativa pessoal.

Um pouco de história

11O futebol chegou ao Brasil, vindo da Inglaterra, em 1894, trazido por Charles Miller e desembarcou primeiro em São Paulo. Nos tempos iniciais, até mais ou menos a década de 1920, o futebol entre nós era um esporte elitista, racista e excludente, como a sociedade brasileira da época. Brancos pobres, negros, mestiços e analfabetos não podiam praticar o futebol regularmente. O futebol oficial, dos clubes, das equipes organizadas nos bairros das classes sociais altas das grandes cidades brasileiras, principalmente São Paulo e Rio de Janeiro.

12A partir dos anos de 1920, 1930 e mais ainda 1940, o futebol no Brasil passou por um processo de relativa democratização e grande popularização, acompanhando mais ou menos aquilo que acontecia na sociedade como um todo. A Semana de Arte Moderna de 1922, a Revolução de 1930 (liderada por Getúlio Vargas), o movimento pela mudança de nossa educação básica, em 1932, a implantação do profissionalismo no futebol, em 1933, e a Constituição de 1934, são alguns exemplos, que mostram como a história do futebol no Brasil é um capítulo da história geral de nossas lutas sociais.

13No universo do futebol brasileiro, o marco dessa mudança foi o time do Vasco da Gama, no Rio de Janeiro, formado por negros, mestiços e brancos pobres, campeão de 1923 e bicampeão em 1924. O Vasco chegou a ser excluído da liga de futebol, por essa razão, ou seja, de aceitar em seu plantel jogadores oriundos dessas camadas sociais. Pelé quando garoto, certamente influenciado por seu pai Dondinho, era torcedor do Vasco da Gama e já declarou que a sua escolha (e a de seu pai) foi por causa dessa resistência do Vasco, contra o racismo e a exclusão social.

14Pelé nasceu em 1940, portanto, como jogador de futebol, não viveu diretamente, não sentiu na pele a exclusão social e racial, que predominaram no futebol brasileiro. A Copa do Mundo de 1938, na França e vencida pela Itália, às vésperas do início da II Guerra Mundial, é um momento marcante da transição entre um futebol elitista, racista e excludente, para um futebol mais democrático e mais popular, um dos maiores símbolos de nossas identidades coletivas.

15Neste Mundial, a seleção brasileira efetivamente representava o país, tanto na cor da pele, quanto nas condições sócio-econômicas dos jogadores, que foram convocados. Leônidas da Silva e Domingos da Guia foram as duas estrelas (negras!) desse período de transição; seus representantes mais significativos.

16Pelé alcança o ponto máximo de sua carreira como jogador profissional de futebol, exatamente na conjuntura em que o Brasil conquista o tricampeonato mundial da modalidade, ou seja, entre 1958 (Brasil campeão na Copa da Suécia) e 1970 (tricampeão no México), passando pelo bicampeonato no Mundial do Chile, em 1962.

17Essa conjuntura também é aquela que assiste a fase mais importante e significativa do processo de popularização e democratização do futebol no Brasil, nos clubes e na seleção nacional. Nesse período também, especialmente entre 1955 e 1968, as artes brasileiras ganham em espaço, difusão e criatividade: o Cinema Novo, a música popular (a Bossa Nova e as canções de protesto), o teatro, as artes plásticas, a literatura. Além da seleção brasileira, Pelé brilhou no Santos Futebol Clube, única equipe em que jogou no Brasil e esta também corresponde à fase das grandes conquistas internacionais deste grande time. Uma equipe com jogadores de alta habilidade e que marcou a história do futebol brasileiro e mundial.

18Então, Pelé se destacou como o mais expressivo ícone do futebol brasileiro, justamente na época em que esse esporte se afirmava como uma das mais relevantes identidades coletivas do Brasil, além de uma das mais massivas e democráticas manifestações da cultura das multidões por aqui (Murad : 2007, 2009).

19Para além de um jogador genial, assim conhecido e reconhecido em todo o mundo, Pelé é uma síntese, uma metáfora do futebol brasileiro, como cultura e identidade, como resistência social e possibilidade. Como possibilidade de um país melhor, mais criativo e menos excludente. Um pouco mais justo e igualitário.

20«Eu sonhava em jogar como meu pai», confidenciou Edson Arantes do Nascimento, ainda quando vivia em sua cidade natal, a pequena Três Corações, em Minas Gerais, Brasil. Filho de Celeste Arantes do Nascimento e de João Ramos do Nascimento, o Dondinho, também jogador de futebol. A declaração a seguir repete algo que já foi dito anteriormente neste texto, mas é importante, porque Pelé a fez de viva voz e espontaneamente. Ele quis que ficasse registrado, partindo dele próprio, aquilo que se falava mas que muitos diziam ser a «invenção de mais uma lenda», em torno de Pelé. Ele declarou que esse diálogo com seu pai foi verdadeiro e fez questão de gravar em áudio e vídeo a sua versão, em depoimento na Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

21«Na final da Copa de 1950, o Brasil perdeu para o Uruguai, em pleno estádio do Maracanã, por 2 x 1 e meu pai ficou muito emocionado, chorou muito. Quando eu o vi em lágrimas, só pude pedir para que não chorasse porque eu iria ganhar uma Copa do Mundo para ele», lembrou o Rei do Futebol, em depoimento para o Núcleo de Sociologia do Futebol da UERJ, em 23 de agosto de 1994.

22Quando a família de Pelé mudou-se para São Paulo, para a cidade de Bauru, ele tinha apenas quatro anos de idade. Dondinho passou a atuar no Bauru Atlético Clube (BAC). Seguindo os passos de seu pai, Dico (o primeiro apelido de Pelé) brilhou em equipes amadoras da região, como o Ameriquinha e o Baquinho. Foi nessas equipes de futebol amador, que o brilho de Pelé começou a aparecer. Aos 11 anos, ele foi descoberto pelo jogador Waldemar de Brito, que o convidou a fazer parte da equipe que estava organizando: o Clube Atlético de Bauru.

  • 3 Site oficial do Santos, acesso em 24/10/2011.
  • 4 Site oficial da CBF, Confederação Brasileira de Futebol, acesso em 26/10/2011.

23O mesmo jogador que o descobriu, o levaria depois, com 16 anos de idade, para o Santos Futebol Clube, onde ficou por 6662 dias e 1116 jogos3. Na seleção brasileira foram 114 jogos e 95 gols4. Além do Santos e da seleção brasileira, Pelé jogou no Cosmos, nos EUA, de 1975 a 1977, e é considerado o grande difusor do futebol, naquele país. Na verdade, o início de uma tradição, que vem se confirmando, se consolidando.

  • 5 Site oficial do Santos Futebol Clube, acesso em 24/10/2011.

24Eis um bom resumo da história de Pelé, da sua espetacular carreira de jogador profissional de futebol, bem como de seu elevado reconhecimento mundial. Quando foi apresentado a Pelé, nos Estados Unidos da América, o ex-presidente do país, Jimmy Carter, disse: «Muito prazer, eu sou Jimmy Carter, você não precisa se apresentar. Pelé todo o mundo conhece».5

Um pouco de mitologia, um pouco de sociologia

  • 6 Museu da Língua Portuguesa, São Paulo/Brasil, exposição sobre a obra do poeta, em julho de 2010.

25Então, podemos dizer que Pelé é um ícone do Brasil, que se projetou para o mundo. Conseguiu e conquistou coisas como poucos, muito poucos. Ao redor de sua vida há muitas lendas, mas há também muitos fatos comprovados documentalmente. Lendas e fatos, todos, absolutamente marcantes. O grande poeta português Fernando Pessoa disse... poeticamente, que o mito é o nada que é tudo.6 A biografia de Pelé, ao que parece, mostra a trajetória de um mito que confirma a segunda parte da afirmativa, negando a primeira.

26Os mitos, os heróis míticos e suas respectivas mitologias são mais ou menos uma construção constante na história das culturas e das sociedades. Um olhar mais atento pela história das formações sociais e humanas demonstra isso em qualquer organização cultural, das mais simples, as chamadas «tribais», às mais complexas, as industriais. A criação e o reforço coletivos de heróis são uma referência para as comunidades, além de contribuir para dar mais consistência às suas identidades coletivas.

27Não é preciso fazer muito esforço, para se dar conta de que o nosso mundo atual é permeado de heróis. Lendas vivas e referências culturais, que alcançam as coletividades por intermédio da música, do cinema, dos esportes. E o futebol, claro, por ser a modalidade esportiva mais popular do mundo e uma das mais relevantes vias de acesso ao entendimento das nossas raízes sociais, é especialmente propício à construção desses ícones –heróicos e míticos. E Pelé, sem dúvida, é um dos melhores exemplos.

28A fixação de um ícone passa a ser uma metáfora, uma imagem representativa de questões fundamentais, de contradições e modos de ser das estruturas sócio-culturais, onde esses heróis populares, esses mitos, estão contextualizados. São símbolos extremamente significativos de suas respectivas sociedades. E a simbologia tem uma eficácia, a cada dia mais reconhecida, a «eficácia simbólica» da qual nos fala Pierre Bourdieu (2000).

  • 7 In Raphaël Patai, O mito e o homem moderno, São Paulo, Cultrix, 1972, p. 61.

29De acordo com Joseph Campbell7, o herói parte do mundo cotidiano e se aventura a enfrentar obstáculos considerados intransponíveis, os vence e retorna à casa. O herói parte do mundo cotidiano e aventura-se a uma região de maravilha sobrenatural, onde arrasta forças fabulosas e logra uma vitória decisiva; e regressa da misteriosa aventura com o poder de conceder dádivas ao seu semelhante.

30Assim entendido, uma pessoa que se torna um ícone, um herói de sua coletividade, com força de representação simbólica, é quem nasce geralmente em condições adversas, mas que consegue por força do talento extraordinário, aliado ao esforço, empenho e determinação, lutar e lutando sempre conseguir ultrapassar, superar as limitações de sua história pessoal e de sua história social. É um exemplo de superação, de «redenção» para seus pares, para seus iguais. Por isso, torna-se mais do que ele mesmo e transforma-se num agente dos desejos, das possibi-lidades e, quem sabe, dos projetos de uma comunidade de pessoas.

31Contudo, é importante sublinhar e ainda segundo as formulações de Joseph Campbell, que o herói somente se constrói como ícone de uma cultura, se houver uma espécie de «acordo» entre ele próprio, sua repre-sentação coletiva e as pessoas, as quais ele representa simbolicamente. Portanto, os mitos são resultados de processos culturais, de «parcerias», de convergências entre o «representante» e seus «representados».

32Em outras palavras, o mito é construído e reconstruído permanentemente, pelas pessoas que fazem parte de seus contextos de vivência e simbologia. Assim, ícones não falam só de si mesmos, mas ajudam a revelar as identidades de um coletivo, os modos de se conhecer uma comunidade de pessoas, de grupos e de instituições sociais.

33Identidades são representações, mais ou menos coletivas, que têm relação com o verbo «ser», o qual é mais permanente, constante, mais estrutural. Diferentemente de identificação, que tem a ver mais com o verbo «estar», mais passageiro, volátil, mais conjuntural. O futebol, no Brasil, é uma de nossas mais fortes identidades culturais, uma constante estrutural, que nos ajuda a entender a sociedade brasileira, sua história, seus dilemas, fracassos e possibilidades.

  • 8 Mauricio Murad, A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje, Rio de Janeiro, FG (...)

34E Pelé é a sua mais expressiva marca, o símbolo mais consistente de nosso futebol. Portanto, um ícone de nossas mitologias coletivas e um instrumento de leitura de nossas realidades, de nossas interpretações sociológicas. «O conhecimento do Brasil passa pelo futebol», disse o escritor José Lins do Rego, um dos grandes da literatura brasileira e completou: «através do futebol, podemos fazer uma psico-sociologia do Brasil»8.

  • 9 Cf. Ronaldo Helal, e Mauricio Murad, «Alegria do povo e don Diego: reflexões sobre o êxtase e a ago (...)

35Certa vez perguntaram a Gabriel García Márquez, numa entrevista coletiva à imprensa, sobre o fantástico na literatura latino-americana e ele respondeu com inabalável certeza, que considerava a sua literatura realista. Diante da perplexidade dos interlocutores, o mestre colombiano esclareceu rapidamente que reafirmava aquilo que dissera, porque considerava que na América Latina tudo pode acontecer...9 Pelé, afinal de contas, é isso: um ícone de um país que está situado num continente onde «tudo pode acontecer». Pelé, preto e pobre, de família muito modesta, com a genialidade de seus «mil corpos», ou seja, com a sua conhecida habilidade corporal, que fez dele um jogador considerado completo, alcançou, conquistou e consolidou sua iconicidade. Logo, venceu o nosso preconceito histórico e a nossa exclusão social, tantas vezes disfarçados, inclusive no futebol.

36E poderíamos acrescentar, seguindo aquilo que o grande jornalista e dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues tinha o constume de falar em relação ao futebol, que também a vida cultural e social dos povos (e também a vida individual), por vezes, obedece as regras do espanto. Daquilo que é absolutamente imponderável, imprevisível. E, ainda de acordo com o que autor também costumava dizer, só os idiotas da objetividade, não conseguem ver esta realidade.

37Pelé fez parte de uma vitoriosa geração de brilhantes jogadores de futebol no Brasil, geração de negros, mestiços e brancos pobres, que transformaram o futebol, numa instituição social, que ajudou a revelar e ainda revela os nossos preconceitos e as nossas exclusões sociais. E todos esses jogadores, de sua época, como também os outros das gerações que se seguiram à dele, o consideram o maior e mais completo jogador do futebol jogado no Brasil e no mundo, em todos os tempos.

38Pelé foi nomeado ministro dos esportes, pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em seu primeiro mandato (1995/1998), quando o atual Ministério dos Esportes era ainda chamado de Secretaria Nacional dos Esportes (Ministério Extraordinário). O presidente-sociólogo criou o ministério, em 02 de janeiro de 1995 e convidou Pelé para o cargo, com a finalidade de fazer dele o grande condutor de um processo de reformulação no futebol, principalmente para contribuir com uma necessária e inadiável meta, a de melhorar as condições de trabalho do jogador, seus contratos com os clubes, estrutura, formação, «lei do passe» e outras urgentes melhorias.

39A «lei do passe», que é a legislação trabalhista do jogador, era e ainda é hoje em dia, considerado o ponto mais sensível e de maior resistência, por parte dos clubes, na vida profissional do futebol no Brasil. A nova lei, a Lei Pelé, inclusive, foi chamada de a «lei áurea» do futebol brasileiro, alusão ao regime de trabalho «semi-escravista», que predominava, deu mais liberdade profissional ao jogador, para negociar seus contratos de trabalho, o que antes era muito difícil, porque o atleta profissional ficava «preso» ao clube, sob a alegação que este havia investido muitos recursos, em sua formação.

40Chamar a «lei Pelé» de «lei áurea» foi uma referência significativa à Lei Áurea, de 13 de maio de 1888, que pôs fim a mais de 350 anos de escravidão. O Brasil foi o último país do mundo a abolir o regime de trabalho escravo... formalmente.

41Pelé, a seu modo, está sempre presente no cenário da vida brasileira, no futebol e também em outros setores. É muito criticado, por suas opiniões e atitudes, mas geralmente não se recusa a participar e emprestar o seu famoso nome a diversas iniciativas, no Brasil e em vários outros países. Viaja constantemente pelo mundo e é sempre reconhecido e festejado, em sociedades, economias e regimes políticos diferentes. Pelé é um dos maiores ícones da cultura do futebol internacional. Não chega a ser uma unanimidade (principalmente no Brasil), mas é quase isto. E já parou de jogar há mais de 30 anos.

42Pelé ainda é alvo de muitos questionamentos no Brasil. No passado foi pior, mas ainda há muito preconceito, em relação às coisas que ele diz e faz. Antonio Carlos Jobim (o Tom Jobim, que junto com Vinícius de Moraes compôs «Garota de Ipanema», talvez a nossa canção popular mais conhecida no mundo) teria dito certa vez que o Brasil não perdoa quem faz sucesso. Pelé, convenhamos, não faz sucesso, Pelé é o sucesso.

43As críticas a ele vão desde as suas opiniões em relação ao futebol, aos jogos e aos jogadores, até suas ideias (ou seu silêncio) sobre questões sociais, políticas ou «raciais», passando também por suas escolhas amorosas. Costuma-se dizer que «ele só namora brancas e loiras». Pelé ainda hoje é muito cobrado a se pronunciar sobre diversas questões, apesar disso já ter diminuído com o tempo, com o amadurecimento dele próprio e da sociedade brasileira, além de sua elevada respeitabilidade internacional.

44É interessante ressaltar que esses questionamentos, muitas vezes em tom agressivo, não reduziram a dimensão de ícone de Pelé. É possível que tenham relativizado um pouco a grandeza de sua imagem, mas mesmo assim ele seguiu em frente e foi consolidando sua representatividade simbólica. É até possível que essas críticas tenham humanizado mais o mito e assim contribuído, mesmo que às avessas, para reforçar a sua iconicidade.

Conclusões

45Edson Arantes do Nascimento é um homem negro de origem humilde e família pobre, nascido em 1940 numa cidadezinha do interior do estado de Minas Gerais, Brasil.

46Pelé é o Maior Jogador de Futebol de Todos os Tempos, o Atleta do Século, o Rei do Futebol.

47Pelé venceu Edson.

48Pelé venceu e superou as suas condições e limitações familiares, sociais e a cultura de preconceitos e exclusões no Brasil. Venceu e superou isso, naturalmente, por intermédio da genialidade de seu futebol, muito bem jogado, com arte, habilidade, forte preparação atlética e alta objetividade. Um jogador completo. Um gênio, com a bola nos pés.

49A palavra ícone é derivada do grego eikon, que significa imagem, e no campo da arte pictórica, nomeadamente das pinturas religiosas, identifica uma representação, uma imagem sagrada, geralmente pintada sobre um painel de madeira. Historicamente, foi uma criação bizantina do século V, com uma representação da Virgem Maria, atribuída pela tradição a São Lucas. O simbolismo e as culturas tradicionais afirmam que um ícone não engloba somente os aspectos concretos, físicos da imagem, mas também e sobretudo os elementos subjetivos, mágicos, simbólicos. Um ícone seria uma forma de comunicar e significar um valor, através de um símbolo. É o que Barthes (1982) disse em relação ao mito, quando afirmou que o mito é uma fala, expressa uma mensagem, é um discurso, enfim, sobre a sociedade, que lhe serve de referência. Uma fala indireta, uma metalinguagem.

50Umberto Eco (1979) entende o processo de construção de um ícone, como uma «simbolização incônscia», um processo de mitificação, que acontece tanto nas sociedades ditas «primitivas», quanto nas atuais, ditas modernas ou contemporâneas. Todas elas, segundo o autor, constroem e reconstroem seus heróis, metáforas de suas realidades e culturas.

51Pelé é tudo isso que foi dito: um ícone, portanto. E tal como a tradição apresenta um ícone, Pelé tem seu lado concreto, físico, tem o nome Edson, idade, endereço e é mortal. Todavia, tem também seu lado mágico, mítico, heróico, simbólico. E é este lado que parece ser mesmo imortal. E é por este lado que Pelé (e não o Edson) representa a cultura brasileira, o nosso futebol e nos ajuda a entender o Brasil, além do forte impacto mundial que causa.

52A história de vida de Pelé, bem como a sua carreira de jogador profissional de futebol, aconteceram nos períodos históricos do processo de popularização e democratização do futebol brasileiro, épocas nas quais a aceitação de negros e pobres já era bem mais flexível do que nas fases iniciais. Portanto, Pelé é um bom exemplo daquilo que se costuma dizer do «homem certo no lugar certo». Pelé contribuiu, é claro, porque foi um jogador genial, mas o momento histórico ajudou bastante, favoreceu a sua vitoriosa carreira de atleta e a repercussão internacional de seu nome.

  • 10 Alguns exemplos possíveis (Murad, 2007: 27, 28):

53A história de Pelé é um importante capítulo da história do futebol brasileiro e a história social do nosso futebol é, por sua vez, um capítulo extremamente significativo das lutas sociais no Brasil, resistências e lutas contra os preconceitos, as discriminações e exclusões sociais.10

54O futebol brasileiro não acabou com os preconceitos de cor e classe no Brasil. Claro que não. Nem com as exclusões sociais, que ainda são muitas. Se nem a Justiça, o Estado, nem a política e a educação conseguiram esse feito, como uma modalidade esportiva conseguiria? Contudo, ajudou a denunciar as nossas enormes diferenças sociais e regionais, além de modificar um pouco esse quadro geral de exclusões, que domina a história de nossa formação social.

55E Pelé, direta ou indiretamente, deu a sua parcela de contribuição (e não somente para o Brasil), como herói popular, como mito, como representação cultural de uma coletividade, numa palavra, como ícone.

Haut de page

Bibliographie

Bourdieu, Pierre, A dimensão simbólica da dominação, Rio de Janeiro, Graal, 2000.

Bromberger, Christian, Football, la bagatelle la plus sérieuse du monde, Paris, E. Bayard, 1998.

Barthes, Roland, Mitologias, São Paulo, Difel, 1982.

Eco, Umberto, Apocalípticos e integrados, São Paulo, Perspectiva, 1979.

Helal, Ronaldo e Murad, Mauricio, «Alegria do povo e don Diego: reflexões sobre o êxtase e a agonia de heróis do futebol», In: Pesquisa de Campo, Revista do Núcleo de Sociologia do Futebol/UERJ, número 1, 1995.

Murad, Mauricio, A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje, Rio de Janeiro, FGV, 2007.

Murad, Mauricio, Sociologia e Educação Física: diálogos, linguagens do corpo, esportes, Rio de Janeiro, FGV, 2009.

Patai, Raphael, O mito e o homem moderno, São Paulo, Cultrix, 1972.

Reis, Heloisa H. B. dos, Futebol e violência, São Paulo, Autores Associados, 2006.

Ribeiro, Darcy, O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil, São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

Toledo, Luiz Henrique de, Didi: a trajetória da folha-seca no futebol de marca brasileira, In: Artes do Corpo, São Paulo, Selo Negro, 2004.

Haut de page

Notes

1 SporTv, Programa Pelé 70 anos, 23 de outubro de 2010.

2 Jornal O PÚBLICO, Caderno de Cultura, p.11, 07/9/2008, Lisboa, Portugal.

3 Site oficial do Santos, acesso em 24/10/2011.

4 Site oficial da CBF, Confederação Brasileira de Futebol, acesso em 26/10/2011.

5 Site oficial do Santos Futebol Clube, acesso em 24/10/2011.

6 Museu da Língua Portuguesa, São Paulo/Brasil, exposição sobre a obra do poeta, em julho de 2010.

7 In Raphaël Patai, O mito e o homem moderno, São Paulo, Cultrix, 1972, p. 61.

8 Mauricio Murad, A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje, Rio de Janeiro, FGV, 2007, p. 28.

9 Cf. Ronaldo Helal, e Mauricio Murad, «Alegria do povo e don Diego: reflexões sobre o êxtase e a agonia de heróis do futebol», Pesquisa de Campo, Revista do Núcleo de Sociologia do Futebol/UERJ, n° 1, 1995.

10 Alguns exemplos possíveis (Murad, 2007: 27, 28):

«Mas a normalização do uso do tranco (embate corporal com os ombros na disputa pela bola) pelos diversos segmentos que primeiro se aventuraram na prática esportiva deu-se numa esfera de diferenciação étnicas e de classes, na qual a variável racial também interferiu. Brancos podiam trancar uma bola, negros, nem sempre».

«Os jogadores de cor, quando passaram a ter livre acesso no futebol oficial, em times médios inicialmente, comiam o pão que o diabo amassou».

«Assim, as primeiras notícias de caráter esportivo que realmente atiçaram a curiosidade do público foram aquelas que mostravam a discriminação social e racial nos clubes e nos times».

«A integração de negros, mulatos e mesmo de brancos pobres aos clubes elegantes foi pontilhada de conflitos. Em certos clubes os negros não eram aceitos de forma alguma».

«Difícil mesmo de driblar era o preconceito de cor, que levava os clubes e times a adotar uma postura segregacionista, refletindo e reproduzindo no futebol as imperfeições da sociedade brasileira...».

Haut de page

Table des illustrations

URL http://caravelle.revues.org/docannexe/image/1226/img-1.png
Fichier image/png, 65k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Mauricio Murad, « Um ícone chamado PELÉ », Caravelle, 98 | 2012, 171-182.

Référence électronique

Mauricio Murad, « Um ícone chamado PELÉ », Caravelle [En ligne], 98 | 2012, mis en ligne le 01 juin 2012, consulté le 29 avril 2017. URL : http://caravelle.revues.org/1226 ; DOI : 10.4000/caravelle.1226

Haut de page

Auteur

Mauricio Murad

Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO, Rio de Janeiro

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Caravelle – Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Logo IPEAT
  • Revues.org