Navigation – Plan du site
Icônes d’Amérique latine

O ícone e o palhaço ou Quando Mazzaropi encena Lampião

Cristina Duarte-Simões
p. 93-111

Résumés

Le massacre, en 1938, de la bande de cangaceiros commandée par Virgulino Ferreira, plus connu sous le surnom de «Lampião» a marqué la mémoire du peuple brésilien. Il a inspiré non seulement la littérature, mais aussi le cinéma du pays. La représentation du célèbre bandit fut constante à l’intérieur de la cinématographie brésilienne, depuis la réalisation de O Cangaceiro (Lima Barreto, 1953, production Vera Cruz), oeuvre qui inaugura le genre « film de banditisme du Nordeste ». Dans les années 60, le Cinema Novo va faire connaître ce genre internationalement, toujours vivant jusqu’aujourd’hui. Dans un registre complètement différent de la plupart des films proposés par le cinéma brésilien, O Lamparina – conçu et joué par Amácio Mazzaropi –, rompt avec le ton tragique ou dramatique des productions antérieures, proposant un personnage de cangaceiro inséré dans un contexte comique et ironique jusqu’alors inédit.

Haut de page

Texte intégral

1Quando o jovem Amácio Mazzaropi completava vinte e seis anos, os policiais do tenente João Bezerra conseguiam, finalmente, cercar e matar –na grota do Angico, município de Poço Redondo, Sergipe– o cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva, mais conhecido por Lampião. Era a manhã de um dia chuvoso, 28 de julho de 1938. Com o chefe pereceram também a companheira Maria Déia Neném, a Maria Bonita, bem como parte do bando. Tinha sido uma longa busca que se perenizara por mais de quinze anos por sete estados nordestinos. No início de 1930, quatro mil soldados estavam à procura dos famigerados bandoleiros cujo grupo reunia mais de cinquenta pessoas, homens e mulheres.

  • 1 Não se trata aqui de um militar do exército, mas de uma pessoa rica e poderosa que exerce a função (...)

2Embrenhada no sertão nordestino, a quadrilha de Lampião levava uma vida ambígua de crimes horrendos, de justiça e de ajuda aos pobres. Contava com o auxílio e apoio material de poderosos «coronéis»1 e grandes fazendeiros da região.

  • 2 Jornal O Povo,s.a., s.l., 4/6/1928, p. 5.

3«Não sou cangaceiro por maldade minha, mas pela maldade dos outros», confessara o temido bandido, em 19282. Esse destino singular já foi relatado com precisão e argúcia por pesquisadores de renome, dentro e fora do espaço cultural e literário brasileiro. Desta forma, trata-se aqui de relembrar somente os principais elementos dessa tragédia com o objetivo de analisar a caracterização de Lampião e de seus cúmplices levada à tela pelo cinema brasileiro e, mais particularmente, pelo ator paulista Amácio Mazzaropi.

4Virgulino nascera em 1898 na atual cidade de Serra Talhada –estado de Pernambuco– numa família sertaneja de classe média baixa de nove filhos. Frequentara a escola e sabia ler e escrever. Durante parte de sua juventude ajudara o pai fazendeiro nos afazeres da propriedade até começarem a surgir desavenças com os vizinhos acerca dos limites das duas extensões de terra. Quando um dos «coronéis» locais acabou dando razão ao inimigo da família, o jovem Virgulino e dois de seus irmãos decidiram partir para integrar um bando de cangaceiros que assolava a região, com o intuito de fazer justiça pelas próprias mãos. O assassinato do pai pela polícia, um pouco mais tarde, selara definitivamente a opção do jovem pela marginalidade.

  • 3 Nertan Macedo, Capitão Virgulino Ferreira Lampião, Rio de Janeiro, Editora Leitura S.A., s.d., p. 9 (...)

5Em 1922, com a morte do líder da quadrilha, Lampião passou a comandar os bandoleiros, já com esse apelido irônico e atroz que adquirira a partir da grande capacidade que tinha em disparar inúmeras vezes, iluminando tudo ao redor de si com o fogo de sua arma. Durante quatro anos, o grupo fora responsável por atos de banditismo nos estados de Pernambuco, Alagoas e Paraíba. Estendendo os limites de sua ação, Lampião invadira, em 1927, a cidade de Mossoró no Estado do Rio Grande do Norte, e em seguida, penetrara em terras do estado da Bahia. Aos jovens que adotavam sua vida criminosa, ele costumava dizer: «De (sic) duas coisas eu lhe garanto no meu bando, camarada, é você não morrer de rede nem de indigestão»3.

6Essas atividades bandoleiras foram exclusivamente masculinas até o ingresso no grupo de Maria Bonita, no início de 1931. Esposa de um sapateiro, a jovem conhecera Lampião por ocasião da passagem dos cangaceiros pela cidade onde morava. Imediatamente, como se se tratasse de seu destino, a moça abandonara a vida pacata que levava para seguir o homem que acabara de conhecer. Após ter se tornado a companheira inseparável do perigoso cangaceiro, outras mulheres ingressaram também nessa vida marginal e nômade, como por exemplo Dadá, concubina do temível Corisco, «o diabo loiro das caatingas».

  • 4 Lins, Daniel Soares, La passion selon Lampião, Evreux, Éditions du Seuil, 1995, p. 183.

7Desta forma, com o ataque final de 28 de julho de 1938, desaparecia uma personagem lendária do sertão nordestino. E para eliminá-la, o desempenho dos policiais foi tão cruel quanto os atos dos malfeitores: Lampião e sua companheira, bem como onze outros cangaceiros, tiveram suas cabeças decepadas e levadas para serem exibidas como troféu de combate. Os corpos mutilados foram deixados no lugar mesmo da carnificina, insepultos, à disposição dos urubus. Segundo alguns autores, Maria Bonita teria até mesmo sido decapitada ainda viva4.

  • 5 Joaquim Góis, Lampião, o último cangaceiro, Aracaju, Livraria Regina Ltda., 1966, p. 237-38. As des (...)

8Joaquim Góis, que fez parte da comissão oficial que, semanas depois, chegou ao grotão para verificar os fatos, relata que um mau-cheiro de carniça impregnava os arredores e que descobriram então: «Corpos sem cabeça, espalhados em várias posições, poças de sangue coalhado, como se as veias de granito das pedras tivessem se rompido numa hemorragia em borbotões»5.

9E quanto ao corpo de Virgulino, a descrição é horrenda:

  • 6 Idem, p. 239.

Aquele é Lampião, ou melhor, é a sobra do que foi sua magestade (sic) o Rei das caatingas. Nu da cintura pra baixo, as pernas picadas pelos urubus, a pele era de um roxo negro e pelos cantos das unhas escorria um líquido viscoso da côr de cobre6.

  • 7 O projeto de lei datava de 24/5/1965.

10Esse registro macabro foi mantido durante muito tempo ainda pois as cabeças ficaram expostas durante mais de vinte anos no Museu Nina Rodrigues, em Salvador, até que uma lei obrigasse o sepultamento, o que ocorreu em 6 de fevereiro de 19697.

  • 8 Góis, op. cit., p. 236.
  • 9 Um dos folhetos de maior sucesso sobre esse assunto foi «Entrada de Lampião no Inferno» de José Pac (...)

11A violência dessa tragédia traumatizou o sertão nordestino e produziu ecos em todo o Brasil, tendo sido manchete em todos os jornais e revistas do país8. Passou também a inspirar várias narrativas, tanto literárias como populares, servindo como melhor exemplo, a literatura de cordel9.

  • 10 Os vastos estúdios de trinta mil metros quadrados estavam localizados em São Bernardo do Campo, na (...)
  • 11 Sylvie Pierre, Glauber Rocha, Paris, Cahiers du Cinema, collection « Auteurs », 1987, p. 47.
  • 12 Paulo Antônio Paranaguá, « Le Brésil » in Les Cinemas d’Amérique Latine, Paris, l’Herminier, 1981, (...)

12Esses fatos dramáticos inspiraram também o cinema brasileiro que propôs, já em 1953, um filme mostrando pela primeira vez a vida dos famosos bandidos: O Cangaceiro, dirigido por Lima Barreto, com cenário deste e da escritora Raquel de Queiroz. Fora produzido pela Empresa Vera Cruz, considerada na época o que havia de mais inovador na cinematografia brasileira. Espelhada em modelo hollywoodiano, a instituição paulista10 preconizava um cinema industrial de qualidade com filmes caros, rodados em estúdio e destinados a um público mais vasto possível11. Para tanto, adquirira a melhor aparelhagem brasileira, bem como técnicos de renome internacional. Quando faliu, em 1954 e seu acervo foi então comprado pela major estadunidense «Columbia Pictures», o filme O Cangaceiro –maior sucesso da Vera Cruz– batia recordes de bilheteria. Essa obra– que permanece até hoje umas das preferidas da população brasileira12– relatava a história de um fictício Teodoro, cangaceiro do bando de um certo «capitão» Galdino que, por volta de 1940, semeava terror no sertão do Nordeste brasileiro. Sem citar explicitamente nenhum dos participantes da tragédia de Lampião, essa produção inaugurou o gênero «filme de cangaceiro» ou «banditismo nordestino».

  • 13 Uma lista completa dessas obras encontra-se em Fernão RAMOS (organizador), História do Cinema Brasi (...)

13Com o caminho aberto, inúmeras outras obras cinematográficas vão surgir durante toda a década de 60. De uma forma geral, não haverá um só ano sem filme de cangaceiro. Constituem exemplos dessa produção abundante: A Morte comanda o cangaço (Carlos Coimbra, 1960), em que o bandoleiro Silvério vive uma história de violência e vingança no Nordeste por volta de 1929. Ou então: Três Cabras de Lampião (Aurélio Teixeira, 1962), que relata uma investida frustrada de cangaceiros a uma cidadezinha, ataque que termina de forma dramática, com um vaqueiro como refém, fuga pelo sertão, falta d’água e sede para os fugitivos. Finalmente, essa década contém mais de trinta filmes sobre esse mesmo assunto13.

14Foi o Cinema Novo, porém, que deu glória ao gênero, com as duas famosas obras de Glauber Rocha: Deus e o Diabo na Terra do Sol (1963) e O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969). A primeira delas apresenta de forma explícita a figura de Lampião e do bando de cangaceiros que dirigia, salientando a figura de Corisco, que secundava o líder e cujo objetivo era: «propagar fogo e sangue em todo o sertão». O destemido cangaceiro é perseguido por Antônio das Mortes, capanga dos fazendeiros da região, e cujo apelido era «matador de cangaceiro». No centro da problemática encontra-se o casal de lavradores Manuel e Rosa, em conflito com o «coronel» de onde vivem e em deambulação forçada entre um grupo de fanáticos religiosos e o grupo de cangaceiros.

15No segundo filme, o matador Antônio das Mortes está à procura da quadrilha de Coirana, considerado herdeiro de Lampião. No vilarejo de Jardim das Piranhas, onde se encontra o cangaceiro, Antônio descobre também um coronel megalomaníaco, um padre místico, bem como um professor desiludido, metáforas de um Brasil arcaico…

  • 14 Glauber Rocha, Revolução do Cinema Novo, Rio de Janeiro, Alhambra/Embrafilme, 1981, p. 30.
  • 15 Idem, p. 30.

16Procurando retratar um país autêntico –situado bem longe da vida mundana do Rio de Janeiro ou de São Paulo– o cineasta encontrou no Nordeste, região pobre e assolada regularmente pela seca, a temática que buscava para a sua famosa «Estética da Fome»: «Nossa [dos brasileiros] originalidade é nossa fome e nossa maior miséria é que esta fome, sendo sentida não é compreendida»14. E o polêmico diretor opunha essa nova estética à do «cinema digestivo» que, segundo ele, imperava no país naquela época: «(…) filmes de gente rica, em casas bonitas, andando em automóveis de luxo: filmes alegres, cômicos, rápidos, sem mensagens, de objetivos puramente industriais»15.

17Contudo, essa inspiração cangaceira não se esgotou ali com o Cinema Novo, nem com a década de 60, pois filmes rodados mais recentemente mostram o vigor do gênero. Por exemplo, em 1997 Paulo Caldas e Lírio Ferreira filmam o excelente Baile Perfumado, relatando a experiência verídica do comerciante Benjamim Abraão que, em 1936, com uma carta de recomendação do Padre Cícero –que Lampião conhecera pessoalmente em 1926– chegara até o grupo de cangaceiros com uma câmera para filmar o cotidiano do mesmo.

  • 16 Baseado no romance «Os Desvalidos» de Francisco J.C. Dantas.

18E o gênero parece permanecer ainda bem vivo nesse terceiro milênio com um último filme de 2006: Canta Maria, dirigido por Francisco Ramalho Júnior16, que retrata Lampião e seus comparsas em plena ação, roubando e pilhando, com o exército à sua procura, num Nordeste transformado em cenário de guerra.

19Fugindo desse registro dramático que, no fundo, persistia em mostrar as mesmas atrocidades dos fatos reais, o cinema brasileiro criou também duas obras ímpares sobre Lampião e os cangaceiros, dois filmes concebidos num registro cômico realmente excepcional.

  • 17 Ator, diretor, produtor e humorista brasileiro. A principal personagem que interpreta é Didi Mocó. (...)

20O primeiro que vamos assinalar, O Cangaceiro trapalhão, dirigido por Daniel Filho em 1983 e estrelado por Renato Aragão –bufo de grande sucesso popular no país17– propõe um espetáculo para crianças. O pobre pastor de cabras Severino do Quixadá salva Capitão e sua quadrilha de cangaceiros de uma emboscada do tenente Bezerra. Encontrando-se após uma grande confusão no antro dos próprios bandidos, o ingênuo pastor é ludibriado pelo esperto Capitão que resolve lhe confiar uma missão perigosa, aproveitando assim da grande semelhança que tinha constatado entre Severino e si mesmo. A encenação salienta a figura de uma menina, filha do chefe Capitão, facilitando assim a identificação do público infantil. Vários nomes no filme fazem referência direta à saga de Lampião, tais como o tenente que o procura e Maria Bonita, que também aparece como companheira de Capitão. Quanto a esse apelido, que era empregado com frequência para designar Lampião, o filme não o desmente pois Capitão tem o mesmo aspecto exterior de Lampião. Por outro lado, como se tratava de um filme infantil, não se encontra nele nenhum ato de violência nem cenas de sexo podendo chocar os jovens espectadores, como apresentavam, tradicionalmente, as outras obras tratando do mesmo assunto.

21Porém, muito antes dessa comédia, foi rodada em 1964 –ou seja, vinte e seis anos somente após o massacre da grota de Angicos, e antes mesmo do sepultamento por lei dos restos mortais dos bandidos– foi rodada, então, uma comédia singular, estrelada pelo artista mais popular do Brasil naqueles anos: Amácio Mazzaropi. Essa obra ímpar intitula-se O Lamparina.

  • 18 Caco Barcelos, «O Jeca contra o tubarão», jornal Movimento, 5/4/76, p. 5, acervo do Museu Mazzaropi (...)

22Natural da cidade de São Paulo, Mazzaropi nasceu em 1912, numa família de classe média. Abandonou muito cedo o domicílio familiar para trabalhar enquanto artista em vários circos do interior do estado de São Paulo. Uma vez reconciliado com os pais, montou com eles uma troupe de teatro ambulante que apresentava declamações, cantos sertanejos e piadas: «Vivíamos viajando como ciganos levando cenários e todos equipamentos juntos, numa espécie de revistinha bem simples»18.

23Trabalhou em seguida em teatro e em rádio, antes de ter sido contratado pelo estúdio Vera Cruz. Estrelou ali vários filmes, sempre no mesmo registro cômico que desenvolvera e que vai conservar durante toda a sua carreira. Em 1958 o ator criou sua própria empresa, Produção Amácio Mazzaropi Ltda, a PAM, que a partir dali financiará sistematicamente todos os outros filmes que rodará o famoso palhaço.

  • 19 Mauro Alvim, «Mazzaropi: herói do cinema nacional», p. 1, www.museumazzaropi.com.br.
  • 20 Glauber Rocha, por exemplo, não deixou de ironizar sobre esse assunto: «A imprensa promovia a Vera (...)

24Concentrando, desta forma, as tarefas de produtor, argumentista e astro de seus próprios filmes, Mazzaropi, com o sucesso dos mesmos, vai se tornar uma figura única dentro do cinema brasileiro. Com efeito, num momento em que as produções estrangeiras invadiam as telas nacionais, em que a cinematografia local lutava para manter a atividade, o saltimbanco paulista vai conseguir criar uma indústria de cinema próspera, genuinamente brasileira, e completamente independente de financiamentos ou subsídios19. E isso num contexto difícil em que o maior estúdio brasileiro, a Vera Cruz, que no entanto beneficiava de grandes financiamentos e apoios20, falira sem poder conseguir realizar o que Mazzaropi, sozinho, realizou.

25O sucesso do paulista vinha, simplesmente, do fato que soubera tocar o povo brasileiro concebendo para ele –e exclusivamente para ele, sem nenhum projeto de exportação– comédias que encenavam personagens hilariantes bem ao gosto popular, envolvidas em situações corriqueiras em que a maior parte da população brasileira podia se reconhecer facilmente. Ligeiramente vulgares, as comédias de Amácio Mazzaropi inseriam-se na linhagem das chanchadas cariocas que o estúdio Cinédia começara a produzir a partir da década de 30. Tratava-se de obras cômicas com situações simples e muita referência implícita ao sexo, sem no entanto nunca mostrar cenas permissivas sobre esse assunto, e encenadas por artistas cômicos conhecidos do público em geral. Como elas, e apesar de conter inúmeras alusões sexuais, as comédias do ator paulista nunca tomavam o rumo da pornografia. Aliás, a posição do autor sobre esse assunto era bastante clara:

[o grande público] Vai ao cinema ver os meus filmes e depois eu passeio pelas ruas e ouço um pai de família: Mazzaropi, seus filmes são ótimos. A gente pode levar a família para assisti-los. Já imaginaram se eu aparecesse pelado para esse público? Ele nunca mais iria me assistir no cinema21.

  • 22 Jean-Claude Bernardet, «Nem pornô, nem policial: Mazzaroppi» (sic), jornal Última Hora, 22-23 de ju (...)

26As comédias mazzaropianas, lançadas no ritmo de uma por ano, eram aguardadas com grande expectativa, lotando com furor, de Norte a Sul do país, os principais cinemas das capitais brasileiras, bem como os das cidadezinhas do interior. E o ator vai conservar esse sucesso constante até sua morte, em 1981, seu cinema tendo sido «o mais popular feito por aqui», como assinalou o crítico Jean-Claude Bernardet22. Eram obras realizadas somente para distrair, desprovidas de qualquer intuito de educar o povo, o que aliás, o comediante assumia inteiramente:

  • 23 Arlando Salem, op. cit., p. 4.

[…] acho que a gente tem que se decidir: ou faz fita par agradar os intelectuais (uma minoria que não lota uma fileira de poltronas de cinema) ou faz para o público que vai ao cinema em busca de emoções diferentes. O público é simples, ele quer rir, chorar, viver minutos de suspense. Não adianta tentar dar a ele um punhado de absurdos: no lugar da boca põe o olho, no lugar do olho põe a boca. Isso é para agradar intelectual.23

27As vinte e oito comédias rodadas pela PAM apresentaram ao público brasileiro personagens e situações ligadas ao cotidiano dele e a fatos culturais típicos da sociedade em que vivia. Por exemplo, certas relações interculturais difíceis foram encenadas em Meu Japão Brasileiro, Um Caipira em Bariloche e Portugal Minha Saudade; a religião sob todos os aspectos aparece em O Jeca e a Freira, O Jeca Macumbeiro, Jeca contra o capeta, Jecão… um fofoqueiro no Céu e no último trabalho de Mazzaropi: O Jeca e a Égua Milagrosa; a discriminação racial constitui o âmago de Jeca e o seu filho preto, enquanto o fanatismo futebolístico encontra-se no centro de O Corinthiano.

28A personagem mais importante caracterizada por Mazzaropi foi Jeca Tatu, figura literária criada pelo escritor Monteiro Lobato em textos de 1914 e fixada definitivamente pelo livro de contos Urupês, publicado em 1918. A caracterização que Mazzaropi propôs desse homem rural foi a que fixou definitivamente a imagem da personagem literária na mente dos brasileiros. Aliás, o número importante de filmes rodados pelo autor no papel de Jeca mostra o vigor dessa composição: nove filmes! Ora, segundo algumas fontes, Jeca Tatu impregnou inteiramente o ator Mazzaropi e, mesmo quando este desempenhava o papel de outras personagens, era sempre Jeca Tatu que a plateia brasileira via:

  • 24 Os grifos são do autor.
  • 25 José Carlos Avellar, «O Milagre», Jornal do Brasil, caderno B, p. 3, 03 de agosto de 1979, www.muse (...)

A sugestão do título [do filme] importa pouco, porque tudo se desenvolve em torno de um mesmo personagem, o Jeca24, meio-bobo, meio-esperto, meio-trabalhador, meio-preguiçoso, quase todo o tempo com uma camisa quadriculada, chapéu meio-enfiado na cabeça, e um pito no canto da boca. O que importa mesmo é este herói, que fala desajeitado e anda mais desajeitado ainda, com as pernas tortas mal-equilibradas em cima das botas, com os braços se agitando assim como asas de um pássaro pesado e barrigudo, num último e inútil esforço para levantar vôo25.

29Desta forma, esse aspecto tem de ser levado em consideração, de forma imprescindível, antes de qualquer estudo sobre os filmes e personagens mazzaropianos.

30O Lamparina, dirigido por Glauco Mirko Laurelli em 1964, mas com argumento do próprio Mazzaropi, constitui, então, um filme original em que Mazzaropi/Jeca propõe pela primeira vez no cinema brasileiro, uma caracterização cômica da figura de Lampião. Antes de analisar os diversos elementos que entraram em jogo nessa composição, é necessário conhecer os principais elementos diegéticos do filme para uma melhor compreensão da personagem criada.

31O caipira Bernardino Jabá –estrelado por Mazzaropi– chega com sua família a uma região rural para buscar trabalho e é ludibriado por um cavaleiro espertalhão que toma dinheiro dele com a promessa de acompanhá-los todos até uma fazenda que necessita de mão- de-obra, mas na verdade foge com o pagamento, sem cumprir o que tinha prometido. Errando pelas estradinhas do campo, a família chega à povoação de Sororóca (sic) que está inteiramente traumatizada pois acaba de ser assaltada por um bando de cangaceiros violentos chefiados pelo temido Zé do Candeeiro.

32Após uma refeição frugal na venda do português Manuel, a família retoma o caminho sem saber exatamente para onde ir. Num momento de descanso à beira de um rio, a família Jabá é atacada por certos membros da quadrilha, mas Bernardino, sua mulher, e os filhos, conseguem se defender, bem como recuperar roupas, armas e um cavalo deixados pelos bandidos na pressa da fuga. Vestidos assim de cangaceiros, continuam a perambular pelas trilhas rurais até o momento em que se deparam com o acampamento da temível corja. Sentindo e manifestando o perigo («–Essa gente mata à toa à toa!»), Bernardino resolve assumir o disfarce e se apresentar como o famigerado Lamparina, cangaceiro inventado por ele, destemido e cruel, que já teria cometido muitas mortes. Aceitos pelo grupo graças à valentia fingida de Bernardino, passam todos a viver no acampamento de Zé do Candeeiro.

33Porém, a intenção do esperto chefe de família não é de se tornar cangaceiro, muito pelo contrário. Mancomunado com a polícia, Bernardino Jabá põe em prática o plano que concebera em cumplicidade com o delegado: desarma os bandidos enquanto todos eles dormem após a ingestão de um chá letárgico preparado pela mulher Marcolina. Porém, na confusão do ataque dos soldados, que também já tinha sido previsto, o chefe cangaceiro, a companheira e o filho conseguem escapar e encontrar um novo esconderijo nas redondezas. Por seu lado, Bernardino perde-se pelas trilhas daquele mundo rural, enquanto a família espera-o ansiosamente na delegacia do vilarejo, como combinado. O pobre homem deambula pelas estradas e acaba sendo confundido com os cangaceiros pois está vestido como eles. Bernardino Jabá é então levado para a cadeia de uma outra cidadezinha dos arredores.

34Durante um ano, os membros da família esperam a sua volta, mas acabam por chegar à conclusão de que morreu e decidem então dar novo rumo à vida. Marcolina aceita a oferta insistente de casamento do português dono do armazém; um dos filhos pede a mão da filha do mesmo; o outro, a da filha do delegado; e a filha do casal Jabá aceita o pedido do filho do temível Zé do Candeeiro, jovem que nunca suportou a vida de cangaceiro e que deseja levar uma existência honesta.

35Quando consegue finalmente obter a liberdade, Bernardino volta para Sororóca (sic), chegando num dia de festa em que todos os habitantes, reunidos na pracinha principal, prestam homenagem à sua memória, homem valente «que libertou a vila da desgraça que eram os cangaceiros». E todos esses elementos laudatórios encontram-se resumidos na placa recém-inaugurada: «Ao bravo Bernardino Jabá, homenagem do povo de Sororóca (sic)».

36Contrariamente ao que esperava o pobre homem, o seu retorno não causa alegria, mas um transtorno imenso pois todos acreditam que se trata de sua assombração : «–Abra tuas asas e volta para o céu!», suplica o português Manuel. Até mesmo a mulher Marcolina evita falar com o esposo, fechando-se em casa, morta de medo.

37Sozinho, desprezado, sem compreender a atitude geral do povo ingrato, Bernardino Jabá deixa o vilarejo, vencido e acabado, tendo por companhia somente Chiquinho, um menino do lugar que perdera a mãe no último ataque dos cangaceiros e que se encontra sozinho no mundo. Os dois partem trabalhar numa fazenda dos arredores para ganhar a vida e numa das cenas, entre animais e companheiros de trabalho, Mazzaropi/Bernardino entoa uma canção que resume toda a tristeza sentida pela personagem:

  • 26 «Alma Solitária», canção de Elpídio dos Santos.

Vento quando açoita a bananeira
Ela geme, ela chora de dor
Porque vive abandonada
Coitada, sem carinho e sem amor.
Eu sou igualzinho a ela
Também vivo sozinho a meditar
Numa triste sexta-feira
Minha linda companheira
Sem querer me fez chorar.
(…) Vivo agora solitário
Carregando o meu calvário
Até quando eu não sei.26

  • 27 Glauco Barsalini, Mazzaropi, o Jeca do Brasil, Campinas, Editora Átomo, 2002, p. 147.

38Mas, algum tempo depois, tendo finalmente de ir até a cidadezinha de Sororoca a mando do patrão, Bernardino chega logo na hora do múltiplo casamento dos filhos …e da mulher! Estupefato, irado, mas decidido, consegue finalmente fazer admitir que está vivo, podendo assim retomar a esposa e assistir o casamento dos filhos. Por outro lado, graças às indicações do menino Chiquinho, o perigoso Zé do Candeeiro e sua companheira acabam por ser presos pelo delegado e seus policiais. E assim termina essa fita que, apesar de conter certas «facilidades de enredo», conquistou o público brasileiro, quando foi lançada em 20 de janeiro de 196427.

  • 28 Apud Macedo, op. cit., p. 271.

39Vários elementos dessa história merecem destaque. Primeiramente o título, que parece se inspirar da famosa asserção do tenente João Bezerra, o herói que deu cabo do verdadeiro rei da caatinga28: «É sempre melhor apagar uma lamparina do que apagar um lampião». Desta forma, ao usar esse cognome no filme, a personagem de Mazzaropi já é apresentada como um cangaceiro cômico e menor, menos importante do que o rei do cangaço, apesar do trailer do filme insistir ironicamente: «Aí vem o mais terrível, o mais perigoso de todos os cangaceiros: o Lamparina!» E essa ironia persiste durante todo o filme pois o chefe dos cangaceiros tem por nome Zé do Candeeiro, o que também não deixa de ser engraçado pois «Zé» é um diminutivo bastante popular e «candeeiro» um substantivo curioso, com as duas vogais «e» numa repetição rara na língua portuguesa. Por outro lado, Mazzaropi escolheu dois apelidos próximos de «Lampião», conservando assim o registro de algo que ilumina, mas esvaziando totalmente o primeiro sentido do apelido do cangaceiro que era ligado à sua crueldade. Aliás, é interessante notar essa insistência semântica já no próprio cangaço com o apelido Lampião, mas também com Corisco, que significa faísca e por vezes, raio.

  • 29 Um dos sinônimos populares de cangaceiro.

40Por outro lado, como não podia deixar de ser, Mazzaropi compõe um cangaceiro «jeca». Sempre com a mesma calça curta, segurada por uma cordinha no lugar da cinta, a camisa quadriculada e o chapéu de palha, o caipira mostra ser um misto de ingenuidade (acreditou no salafrário que prometeu trabalho) e de coragem (faz de conta que é um perigoso cangaceiro). Essa figura frágil que se confronta com a dureza do líder Zé do Candeeiro –um cangaceiro de verdade!– produz as cenas mais engraçadas do filme. A chegada de Bernardino Jabá e de sua família no acampamento dos bandidos constitui uma das sequências mais hilariantes do filme. Obrigado a assumir a personagem das roupas que está usando, o caboclo enfrenta a situação como um valentão, agredindo os «cabras»29 para, justamente, não ser agredido por eles:

— E se tiver homem valente aí, junta tudo e manda!
— Fique sabendo, moço, que onde eu boto o pé, eu acabo com a festa!
— Se tiver chefe aí, que venha!

41E quando o temido chefe se aproxima, com a espingarda já armada, o caipira não esmorece:

— Então vamos clarear isso. Tu é Candeeiro e eu sou Lamparina.

42E o falso bandido, insistindo na valentia, não hesita em apresentar a mulher como bandoleira que se preze:

  • 30 Termo pelo qual os cangaceiros designavam os policiais.

— Deixa passar a rainha do cangaceiro. Vem, mulher! Respeita que essa aí matou quinze «macacos»30 com um tiro só!

43E o retrato do verdadeiro falso cangaceiro é completado pela canção «Lamparina do Nordeste» que Bernardino entoa, marcando assim, definitivamente, um lugar de destaque no seio da quadrilha:

  • 31 Jeca/Bernardino fala um português mal falado, com erros de gramática, como os habitantes das zonas (...)
  • 32 Outra marca de oralidade rural é a supressão dos «r» finais, sobretudo nos infinitivos dos verbos.
  • 33 Município do sertão pernambucano.
  • 34 Soldados de uma tropa.

(…) Só que é preciso saber
Já matei dez capatais31
Botei mais dez pra corrê32
Sem olhá pra trás
Só de escutar o meu nome
A valentia termina
Pra mim não há homem
Sou o Lamparina
Um pouco ali adiante
Na banda do Bodocó33
Matei uns trinta volantes34
Com dez tiros só.

  • 35 «Eu vou mostrar pra vocês / Como se dança o baião, etc.», composta por Luiz Gonzaga e Humberto Teix (...)

44Aliás, essa canção é cantada como um dos mais famosos cantos nordestinos, o «Baião», interpretado pelo célebre Luiz Gonzaga35. E como essa última, é acompanhada por instrumentos tradicionais do Nordeste (triângulo, sanfona…) e composta também em redondilha maior (versos de sete sílabas).

45Mazzaropi vai buscar para sua composição diversos elementos que pertencem a esse mundo nordestino e cangaceiro, parodiando desta forma o filme de grande sucesso que iniciou o gênero banditismo do Nordeste, O Cangaceiro. Com efeito, várias cenas dessa obra precedente pendem para um certo folklore pois mostram os bandidos em seu acampamento do sertão, cantando modas regionais e dançando o famoso xaxado, dança típica da região que consiste em bater e arrastar os pés. Ora, O Lamparina reproduz todos esses elementos de forma bastante cômica.

46Muito engraçadas são também as roupas e elementos do cangaço que os membros da família Jabá são forçados a usar, tornando-se assim completamente ridículos com seus chapéus de couro –adornados de botões e tampinhas de garrafa no lugar das famosas medalhas cangaceiras–, bem como com suas largas correias a tiracolo, repletas de balas. São desajeitados no porte da espingarda e a valentia fingida só passa despercebida porque os bandidos –apesar da fama de malvados– são, finalmente, muito mais bobos e ingênuos do que a desajeitada família camponesa.

  • 36 Aliás, esse foi o primeiro filme do autor filmado inteiramente em sua propriedade, segundo Marcela (...)
  • 37 Tratava-se de um dos estribilhos da canção popular que acompanhava, nesse filme, a saga dos lavrado (...)

47Além disso, é interessante notar que o cenário deste filme –que em princípio reproduz uma história do Nordeste– não apresenta similari-dade nenhuma com a árida caatinga. Apesar de Bernardino Jabá afirmar para os cangaceiros: «— Sou lá de Cabobró», cidade pernambucana considerada a capital da cebola, a fita apresenta paisagens de grama, rios caudalosos e árvores abundantes. Com efeito, foi inteiramente filmada na Fazenda Santa, propriedade de Amácio Mazzaropi no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo, como anunciam os créditos iniciais36. E não seria exagerado afirmar que O Lamparina realiza em termos –mas de forma bastante cômica– a famosa profecia nordestina enunciada por Glauber Rocha em seu famoso Deus e o Diabo na Terra do Sol: «O sertão vai virar mar e o mar, virar sertão»37. No filme de Mazzaropi, o sertão ainda não virou mar, mas aproximou-se bastante dele.

  • 38 Referência à canção «O Samba do crioulo doido», composta por Sérgio Porto em 1968 e que inverte, de (...)

48Há também nessa obra uma inversão interessante do fenômeno migratório brasileiro. O Nordeste é uma região que, tradicionalmente, fornece mão-de-obra para as regiões mais ricas do sul, dotadas de uma oferta de trabalho mais perene. A literatura e o cancioneiro brasileiro sempre mostraram essas levas de migrantes chegando ao Rio de Janeiro ou a São Paulo na esperança de uma vida melhor. Ora, Mazzaropi propõe exatamente o contrário em O Lamparina pois a personagem que compõe remete, inexoravelmente, ao habitante das zonas rurais do Estado de São Paulo ou, de uma forma mais geral, ao camponês do sudeste do país. Por que então essa família encontra-se em pleno «Nordeste», terra dos cangaceiros? Nenhum elemento diegético responde a essa questão, embora essa inversão represente um dos aspectos mais cômicos do filme, principalmente quando há confrontação entre o sotaque nordestino dos cangaceiros em prados sulistas e o sotaque caipira da família Jabá rodeada por bandoleiros e elementos da cultura nordestina. É, de uma certa forma, o filme do «cangaceiro doido»…38

Amácio Mazzaropi (no centro) interpretando Lampião no filme O Lamparina

Amácio Mazzaropi (no centro) interpretando Lampião no filme O Lamparina

(Acervo Museu Mazzaropi)

  • 39 Tentando imitar o sotaque do Nordeste, o filme faz os cangaceiros empregarem o tratamento «tu», mas (...)

49Se Mazzaropi foi então o primeiro cineasta a ousar propor uma imagem cômica do ícone do Nordeste, não se pode contudo esquecer que seu O Lamparina é o filme de um paulista que vê, interpreta e escarnece da figura do temido Lampião. Nele, Zé do Candeeiro é mostrado como um homem de muita pose e de muito grito, mas que adota rapidamente atitudes machistas (fica deitado na rede enquanto a mulher vai lavar roupa no riacho), e até mesmo ridículas, por exemplo quando Jabá aponta a espingarda e exige que mostre os dentes… e o rei do cangaço mostra! Por outro lado, até mesmo a companheira cangaceira –numa excelente imitação da famosa Maria Bonita– já começa a perceber uma certa diferença entre o chefe e Bernardino «—Que homem valente! E eu que pensei que tu fosse (sic)39 o maior homem do mundo…» Porém, a melhor definição desse bandido picareta é dada no filme pelo menino Chiquinho que, com coragem, lança a Zé do Candeeiro: «—Você, todo valente, você é um covarde! Só se orgulha em fazer mal para os outros. Por que matou a minha mãe, seu vagabundo?»

50Por outro lado, a confrontação entre o Bem e o Mal proposta pelo filme torna-se bastante interessante pois todos os elementos levam a uma grande ambiguidade. Bernardino Jabá é o mocinho da história, mas é obrigado a usar as roupas dos bandidos e a conviver com eles; o filho de Candeeiro é um cangaceiro infeliz com sua posição e cujo maior anseio é deixar o cangaço, fundar uma família e levar uma vida honesta; a companheira do chefe bandido não hesita em achar Bernardino mais valente do que o cruel cangaceiro; e os membros da quadrilha acreditam facilmente nas mentiras do caipira desastrado. Desta forma, no final do filme, quando o delegado leva presos Zé do Candeeiro e sua companheira, a conclusão da fita permanece em aberto, deixando um espaço para a regeneração do casal sanguinário, principalmente no momento em que o filho acaba por desposar a filha de Bernardino Jabá. Esse final inconcluso pode ser entendido: seria difícil propor um «final feliz» com os bandidos que acabaram de ser presos. Preservando a moral vigente, Mazzaropi prefere então terminar o filme com o movimento dos cavalos levando os dois marginais, acompanhados pelo delegado e sob o olhar orgulhoso do menino Chiquinho.

51Se todos esses elementos ainda não fossem suficientes para estabelecer a relação com a saga de Lampião, os cangaceiros de O Lamparina escondem-se num momento da fita no Grotão da Fazenda Santa Maria, numa referência explícita ao último acampamento do bandido no sertão sergipano. E, insistindo no aspecto nordestino do cangaceiro amador, Mazzaropi deu a Bernardino o sobrenome «Jabá», sinônimo de charque, uma carne seca tradicional dessa região do Brasil.

  • 40 Bernardet, op. cit., p. 11.

52Pouco apreciado pela crítica –que considerava seu cinema reacionário e conservador40– Amácio Mazzaropi deixou no entanto uma obra extensa e variada que só começou a receber o merecido valor nesses últimos tempos. Suas comédias são apresentadas atualmente em cine-clubes e em retrospectivas da televisão brasileira, num movimento de resgate do que foi o cinema mais popular do Brasil.

53Por outro lado, o interesse pela saga de Lampião continua a aumentar. A tal ponto que certos municípios do Nordeste passaram a propor novos passeios turísticos intitulados «Rota Cangaço e Lampião». Uma dessas excursões, por exemplo, leva os turistas, por terra ou pelo rio São Francisco, até o palco do massacre, ou seja, a grota de Angicos (estado de Sergipe), passeio que inclui também uma visita ao Museu do Sertão de Piranhas (estado de Alagoas), bem como a compra de produtos de artesanato na mesma cidade41. Por seu lado, a Secretaria de Turismo do estado de Pernambuco propõe uma rota que percorre seis cidades do interior, entre elas Serra Talhada, cidade natal de Lampião. «A rota do Cangaço e Lampião é um mergulho na mitologia do Nordeste. Um lugar perfeito para turismo histórico, de aventura e técnico científico», afirma o organismo estadual42.

54Ainda mais pragmáticas, certas agências de viagem oferecem «pacotes» turísticos incluindo alojamento em pousadas confortáveis, três refeições diárias, bem como visita às principais atrações da região: Museu do Cangaço, fábrica de cachaça e de rapadura, etc…43

55Pode-se concluir disso tudo que houve uma banalização total da imagem do feroz cangaceiro que se tornou um mero produto turístico, aliás como outros depois dele que se transformaram em decoração de camiseta ou de boné. Talvez seja esse o destino dos ícones, mesmo dos mais revolucionários: o de passar, inevitavelmente, a um momento, pelo filtro do marketing capitalista.

56Porém, se Amácio Mazzaropi ainda estivesse vivo e ativo, com certeza esse aspecto comercial do bandoleiro do sertão não teria passado despercebido aos olhos argutos do palhaço. E teria talvez surgido uma nova comédia em que o turista anônimo/Jeca vai visitar –de maneira sempre desastrada, mas remoendo feridas antigas e dolorosas– os lugares históricos do massacre do sertão, entre um golinho de pinga aqui ou uma fatia de rapadura ali…

Haut de page

Bibliographie

Barsalini, Glauco, Mazzaropi, o Jeca do Brasil, Campinas, Editora Átomo, 2002.

Góis, Joaquim, Lampião, o último cangaceiro, Aracaju, Livraria Regina Ltda., 1966.

Lins, Daniel Soares, La passion selon Lampião, Evreux, Éditions du Seuil, 1995.

Matos, Marcela, Sai da Frente! – a vida e a obra de Mazzaropi, Rio de Janeiro, Desiderata, 2010.

Macedo, Nertan, Capitão Virgulino Ferreira Lampião, Rio de Janeiro, Editora Leitura, s.d.

Paranaguá, Paulo Antônio, « Le Brésil » in Les Cinemas d’Amérique Latine, Paris, l’Herminier, 1981.

Pierre, Sylvie Glauber Rocha, Paris, Cahiers du Cinema, collection « Auteurs », 1987.

Ramos, Fernão (organizador), História do Cinema Brasileiro, Art Editora, São Paulo, 1990.

Rocha, Glauber, Revolução do Cinema Novo, Rio de Janeiro, Alhambra/Embrafilme, 1981.

Haut de page

Notes

1 Não se trata aqui de um militar do exército, mas de uma pessoa rica e poderosa que exerce a função de chefe político local.

2 Jornal O Povo,s.a., s.l., 4/6/1928, p. 5.

3 Nertan Macedo, Capitão Virgulino Ferreira Lampião, Rio de Janeiro, Editora Leitura S.A., s.d., p. 94. A palavra «capitão», usada comumente como título ou tratamento em relação a Lampião, não implica nenhuma filiação ao exército nem à policia brasileira.

4 Lins, Daniel Soares, La passion selon Lampião, Evreux, Éditions du Seuil, 1995, p. 183.

5 Joaquim Góis, Lampião, o último cangaceiro, Aracaju, Livraria Regina Ltda., 1966, p. 237-38. As descrições do autor neste livro são acompanhadas de fotografias dos corpos encontrados bem como das cabeças separadas, imagens que chegam a ser repugnantes de tanto realismo.

6 Idem, p. 239.

7 O projeto de lei datava de 24/5/1965.

8 Góis, op. cit., p. 236.

9 Um dos folhetos de maior sucesso sobre esse assunto foi «Entrada de Lampião no Inferno» de José Pacheco (Macedo, op. cit., p. 63).

10 Os vastos estúdios de trinta mil metros quadrados estavam localizados em São Bernardo do Campo, na zona industrial do ABC, ao lado da cidade de São Paulo.

11 Sylvie Pierre, Glauber Rocha, Paris, Cahiers du Cinema, collection « Auteurs », 1987, p. 47.

12 Paulo Antônio Paranaguá, « Le Brésil » in Les Cinemas d’Amérique Latine, Paris, l’Herminier, 1981, p. 135.

13 Uma lista completa dessas obras encontra-se em Fernão RAMOS (organizador), História do Cinema Brasileiro, Art Editora, São Paulo, 1990, p. 344-5.

14 Glauber Rocha, Revolução do Cinema Novo, Rio de Janeiro, Alhambra/Embrafilme, 1981, p. 30.

15 Idem, p. 30.

16 Baseado no romance «Os Desvalidos» de Francisco J.C. Dantas.

17 Ator, diretor, produtor e humorista brasileiro. A principal personagem que interpreta é Didi Mocó. Pertence ao grupo «Os Trapalhões», conhecidos pela série televisiva de mesmo nome.

18 Caco Barcelos, «O Jeca contra o tubarão», jornal Movimento, 5/4/76, p. 5, acervo do Museu Mazzaropi. Esta instituição digitalizou e colocou à disposição dos pesquisadores a totalidade dos textos e artigos escritos sobre Amácio Mazzaropi, disponíveis no site: www.museumazzaropi.com.br.

19 Mauro Alvim, «Mazzaropi: herói do cinema nacional», p. 1, www.museumazzaropi.com.br.

20 Glauber Rocha, por exemplo, não deixou de ironizar sobre esse assunto: «A imprensa promovia a Vera Cruz com mais fervor que Hollywood» (Rocha, op. cit., p. 292).

21 Arlando Salem, «O Brasil é o meu público», revista Veja, 28-01-1970, www.museumazzaropi.com.br.

22 Jean-Claude Bernardet, «Nem pornô, nem policial: Mazzaroppi» (sic), jornal Última Hora, 22-23 de julho de 1978, p. 11, apud www.museumazzaropi.com.br.

23 Arlando Salem, op. cit., p. 4.

24 Os grifos são do autor.

25 José Carlos Avellar, «O Milagre», Jornal do Brasil, caderno B, p. 3, 03 de agosto de 1979, www.museumazzaropi.com.br.

26 «Alma Solitária», canção de Elpídio dos Santos.

27 Glauco Barsalini, Mazzaropi, o Jeca do Brasil, Campinas, Editora Átomo, 2002, p. 147.

28 Apud Macedo, op. cit., p. 271.

29 Um dos sinônimos populares de cangaceiro.

30 Termo pelo qual os cangaceiros designavam os policiais.

31 Jeca/Bernardino fala um português mal falado, com erros de gramática, como os habitantes das zonas rurais do Brasil. Desta forma, um dos erros mais comuns é o fato de não se respeitar as regras de formação do plural. Aqui, em lugar de «capatazes», a personagem utiliza a forma oral, mais usada nessas regiões.

32 Outra marca de oralidade rural é a supressão dos «r» finais, sobretudo nos infinitivos dos verbos.

33 Município do sertão pernambucano.

34 Soldados de uma tropa.

35 «Eu vou mostrar pra vocês / Como se dança o baião, etc.», composta por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. O primeiro (1912-1989) ficou conhecido por «rei do baião».

36 Aliás, esse foi o primeiro filme do autor filmado inteiramente em sua propriedade, segundo Marcela Matos, Sai da Frente! – a vida e a obra de Mazzaropi, Rio de Janeiro, Desiderata, 2010, p. 79.

37 Tratava-se de um dos estribilhos da canção popular que acompanhava, nesse filme, a saga dos lavradores Manuel e Rosa. Uma bela metáfora do Cinema Novo para representar a luta de classes…

38 Referência à canção «O Samba do crioulo doido», composta por Sérgio Porto em 1968 e que inverte, de propósito, todos os elementos da História do Brasil.

39 Tentando imitar o sotaque do Nordeste, o filme faz os cangaceiros empregarem o tratamento «tu», mas com o verbo conjugado na terceira pessoa.

40 Bernardet, op. cit., p. 11.

41 Paulo Toledo Piza, «Em Sergipe, rota do cangaço leva à cena da morte de Lampião», Folha online, São Paulo, 07 de julho de 2010, www1.folha.uol.com.br

42 http://www2.setur.pe.gov.br

43 www.luckviagens.com.br

Haut de page

Table des illustrations

URL http://caravelle.revues.org/docannexe/image/1169/img-1.png
Fichier image/png, 89k
Titre Amácio Mazzaropi (no centro) interpretando Lampião no filme O Lamparina
Crédits (Acervo Museu Mazzaropi)
URL http://caravelle.revues.org/docannexe/image/1169/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 8,2M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Cristina Duarte-Simões, « O ícone e o palhaço ou Quando Mazzaropi encena Lampião », Caravelle, 98 | 2012, 93-111.

Référence électronique

Cristina Duarte-Simões, « O ícone e o palhaço ou Quando Mazzaropi encena Lampião », Caravelle [En ligne], 98 | 2012, mis en ligne le 01 juin 2012, consulté le 27 juillet 2017. URL : http://caravelle.revues.org/1169 ; DOI : 10.4000/caravelle.1169

Haut de page

Auteur

Cristina Duarte-Simões

Université de Toulouse-Le Mirail

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Caravelle – Cahiers du monde hispanique et luso-brésilien est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Logo IPEAT
  • Revues.org